Descrição de chapéu enem

Alexandre Lopes é exonerado da presidência do Inep

Novo dirigente do órgão era secretário do MEC e é próximo do ministro Milton Ribeiro

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

O presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Alexandre Ribeiro Pereira Lopes, foi exonerado do cargo. À noite, o governo nomeou como substituto Danilo Dupas Ribeiro, que já compunha a equipe do ministro da Educação, o pastor Milton Ribeiro.

Esta já é a quarta mudança mudança no comando órgão, responsável pelo Enem, sob o governo Jair Bolsonaro (sem partido).

A exoneração foi publicada na madrugada desta sexta-feira (26) no Diário Oficial da União, com a assinatura do ministro da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto, mas a decisão coube a Milton Ribeiro.

O Inep é vinculado ao MEC. Ribeiro e Lopes não tinham um bom relacionamento, e o clima foi reforçado pela ausência do ministro nas atividades e nos desafios da pasta e, particularmente, do instituto, na pandemia.

Danilo Dupas Ribeiro foi nomeado em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta sexta-feira. Assim como o ministro, Ribeiro também tinha ligação com o Mackenzie e chegou ao MEC com Ribeiro —ele comandava a Seres (Secretaria de Regulação do Ensino Superior).

O novo presidente do Inep é economista e mestre em administração, segundo seu currículo na plataforma Lattes.

Para seu lugar na subpasta foi nomeado Paulo Roberto Araujo de Almeida. Ele que compunha a equipe da própria Seres.​

As falhas na realização do Enem, com parte dos candidatos impedidos de fazer por lotação das salas, foram consideradas pelo ministro a gota d'água para a mudança imediatamente após o fim do exame. A reaplicação das provas terminou na quarta-feira (24), e no dia seguinte Ribeiro encaminhou à Casa Civil as portarias de demissão.

Também foi exonerado o chefe de gabinete da presidência do Inep, Marcelo Silva Pontes.

A demissão de Lopes já era esperada internamente desde dezembro, mas esperava-se um processo menos intempestivo. Segundo integrantes do governo, Lopes soube só ontem que a exoneração seria publicada nesta sexta. Procurado, ele não respondeu à Folha.

Também causou desconforto ao ministro a divulgação de proposta do Inep para revisão da lei que regula a avaliação das instituições de ensino superior. Ex-reitor do Mackenzie, Milton Ribeiro tem tido relação próxima com o setor privado.

Deve haver troca em praticamente todas as diretorias do órgão. Um coronel do exército é forte cotado para a Diretoria de Avaliação da Educação Básica, responsável pelo Enem e pelo Saeb, que avalia a etapa.

O ministro estudava um nome da sua equipe para comandar o Inep mas havia rumores de que um militar pudesse assumir. Até políticos do centrão passaram a se movimentar para tentar ocupar o espaço.

A exoneração dos dois principais responsáveis pelo Instituto ocorre 2 dias depois da reaplicação do Enem, que teve uma série de problemas nesta edição. A prova teve abstenção recorde e candidatos impedidos de fazer o exame por conta de salas superlotadas.

Integrantes do Inep e do Ministério da Educação (MEC) relataram à Folha preocupação com as próximas etapas do Enem.

A Assinep (Associação de Servidores do Inep) divulgou uma nota pública na manhã desta sexta em que dizem ver com preocupação a exoneração de mais um presidente - o quinto a ocupar a chefia do instituto nos último 2 anos.

Segundo a associação, a "descontinuidade de gestão, com sucessivos períodos de instabilidade" tem comprometido o trabalho do instituto.

"Os servidores do Inep alertam a sociedade para os graves riscos à instituição, essencial para o desenvolvimento educacional brasileiro, e clamam pela necessidade de gestores com reconhecida capacidade técnica e familiaridade com a temática da educação, à altura dos 84 anos do instituto", diz a nota.

Alexandre Ribeiro Pereira Lopes ocupava a presidência do Inep desde maio de 2019
Alexandre Ribeiro Pereira Lopes ocupava a presidência do Inep desde maio de 2019 - Luis Forpes/MEC

A exoneração surpreendeu integrantes do MEC, já que Lopes tinha na manhã desta sexta (26) um encontro com donos de faculdades privadas para discutir mudanças no Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior).

Antes de assumir o instituto, em maio de 2019, Lopes ocupava a função de diretor legislativo na secretaria-executiva da Casa Civil.

Ele foi o terceiro presidente do instituto no governo Bolsonaro (sem partido). Nos cinco primeiros meses da atual gestão federal, duas outras trocas foram realizadas.

Marcus Vinícius Rodrigues e Elmer Vicenzi ficaram por um curto período à frente do instituto. Já Maria Inês Fini, que ocupava o cargo desde o governo Temer, foi exonerada no começo de janeiro de 2019.

Lopes já havia trabalhado com o ex-ministro da Educação da gestão Bolsonaro Abraham Weintraub que, antes de se tornar titular do MEC, era o número dois da então pasta comandada por Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

Segundo o currículo de Lopes, ele é formado em engenharia química pela UFRJ e em direito pela UnB. É servidor público de carreira como analista de comércio exterior desde 1999.

Em nota, o Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) disse ter recebido com surpresa a exoneração de Lopes e espera que a mudança não represente descontinuidade de políticas e ações, no momento em que se discute novas avaliações nacionais.

VIÉS IDEOLÓGICO

Em artigo publicado nesta Folha, Alexandre Lopes defendeu a manutenção do Enem durante a pandemia de Covid-19. A realização do exame, no entanto, gerou um recorde de abstenção de inscritos, que temeram pela falta de medidas sanitárias efetivas durante a aplicação das provas.

Em entrevista à Folha após assumir o cargo, Lopes também disse que quem fizesse redação de esquerda no Enem não seria prejudicado.

Mas especialistas e servidores que elaboram o Enem temem, desde o início do governo Bolsonaro, por interferências na prova. O presidente em diversas ocasiões criticou o exame e chegou a dizer que, sob sua gestão, questões sobre alguns temas seriam barradas.

Bolsonaro já criticou em edições anteriores perguntas que abordavam racismo e homofobia. Neste ano, ele reclamou de uma questão que comparava os salários dos jogadores Marta e Neymar.

"Você vê as provas do Enem. O banco de questões do Enem não é do meu governo ainda, é de governos anteriores. Tem questões ali ridículas ainda, ridículas", disse Bolsonaro na ocasião.

Em 2019, no primeiro ano do governo Bolsonaro, o Inep criou uma comissão para censura ideológica de temas no banco de itens, que agrupa as questões usadas nos exames federais. O Inep nunca divulgou quais temas e questões foram barrados.

No entanto, parecer da comissão mostra que foi sugerido a troca do termo "ditadura" por "regime militar" em um item da área de Linguagens. O documento foi divulgado pelo jornal O Globo e confirmado pela Folha.

A comissão vetou 66 perguntas que foram avaliadas como tendo "abordagens controversas" e "teor ofensivo”. Os itens condenados estão, principalmente, nas áreas de ciências humanas e linguagens, 29 e 28 itens respectivamente. Outros 5 eram de ciências da natureza e 4, de matemática.

A criação da comissão veio a pedido de Bolsonaro, que antes acumula críticas, de teor ideológico, sobre questões do Enem. As duas edições do exame a cargo deste governo deixaram de contar, de forma inédita, com perguntas sobre a ditadura militar no Brasil (1964-1985), período marcado por restrições civis e tortura, mas elogiado e defendido por Bolsonaro e apoiadores.

Bolsonaro tem um discurso de minimização do racismo, problema que ele já disse que não existe no país.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.