Movimentos antivacinas ameaçam saúde global em 2019, diz OMS

Lista com os dez maiores perigos também conta com mudanças climáticas, poluição e dengue

São Paulo

Movimentos antivacinas são uma das ameaças mundiais à saúde em 2019, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). A lista também conta com as mudanças climáticas, frágil atenção primária, dengue e doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes.

Segundo a agência da ONU (Organização das Nações Unidas), a hesitação em vacinar, mesmo com a disponibilidade dos medicamentos, ameaça reverter o progresso alcançado na prevenção de determinadas doenças. 

Criança abre a boca para receber gotinha de vacina
Hesitação em vacinar preocupa Organização Mundial da Saúde - Keiny Andrade/Folhapress

"A vacinação tem um dos melhores custos-benefícios para evitar doenças. Ela previne de 2 a 3 milhões de mortes por ano e mais 1,5 milhão poderia ser evitada com a melhoria da cobertura vacinal", diz a agência.

A OMS afirma ainda que os casos de sarampo, por exemplo, tiveram um aumento de 30% no mundo. Nem todo o crescimento, contudo, pode ser associado ao questionamento às vacinas.

Em 2017, como mostrou a Folha, um em cada quatro municípios do país tiveram cobertura abaixo do ideal em vacinas obrigatórias para bebês e crianças.

As 10 ameaças à saúde global em 2019

  1. Poluição do ar e mudanças climáticas

    A poluição atmosférica é considerada como o maior risco ambiental para a saúde em 2019

  2. Doenças crônicas não transmissíveis

    Diabetes, câncer e doenças do coração são responsáveis por 70% das mortes no mundo

  3. Pandemia mundial de influenza

    A OMS monitora a circulação do vírus influenza para detectar possíveis pandemias

  4. Locais frágeis e vulneráveis

    22% da população mundial vivem sem acesso a cuidados básicos, por conta de crises e serviços de saúde fracos

  5. Resistência Antimicrobiana

    A dificuldade em prevenir infecções pode impactar cirurgias e tratamentos, como a quimioterapia

  6. Ebola

    Surtos na República Democrática do Congo mostram os desafios de lidar com esse tipo de situação em áreas urbanas

  7. Atenção primária fraca

    Muitos países ainda não contam com atenção primária adequada

  8. Hesitação em vacinar

    Atitude pode reverter progressos conquistados em doenças evitáveis com vacinas

  9. Dengue

    40% do mundo pode ser afetado pela dengue; há 390 infecções por ano

  10. HIV

    Mesmo com os avanços, a epidemia ainda mata cerca de um milhão de pessoas por ano

A agência chama a atenção para as mudanças climáticas e a poluição do ar. Os poluentes danificam os pulmões, coração e cérebro, e matam prematuramente 7 milhões de pessoas por ano —com câncer, derrame e problemas de coração e pulmão—, diz a agência.

Os combustíveis fósseis são a principal causa dessa poluição e do aquecimento global. A OMS afirma que entre 2030 e 2050 espera-se que a mudança climática leve a mais 250 mil mortes por ano.

A dengue entrou na lista de ameaças da OMS. Segundo a agência, cerca de 40% do mundo está em zonas de risco da dengue, que pode, em casos graves, levar à morte.

A atenção primária também é citada pela agência. Por ser o primeiro ponto de contato da população com os serviços de saúde e pela possibilidade de ajudar no tratamento da maior parte dos problemas, a negligência quanto a ela representa risco.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.