No dia do orquidófilo, veja cuidados para ter flor todos os anos

Colecionadores contam rotina de cuidados com as plantas

São Paulo

Cláudio Alencastro era criança quando a cidade de Tapes, a 100 km de Porto Alegre, recebeu imigrantes japoneses interessados nas orquídeas nativas da região, na década de 1950. Aos 12 anos, visitou uma exposição de orquídeas e começou a se interessar pelas plantas. Hoje, aos 71, possui uma coleção com mais de 1.500 exemplares.

Cláudio se encaixa na definição de orquidófilo, usada para quem cultiva ou tem interesse por orquídeas. A data escolhida para a homenageá-los, 22 de junho, é a do nascimento do botânico João Barbosa Rodrigues, que foi um dos primeiros naturalistas a desenvolver estudos com orquídeas brasileiras.

O orquidófilo Cláudio Alencastro com sua coleção de orquídeas em Porto Alegre (RS)
O orquidófilo Cláudio Alencastro com sua coleção de orquídeas em Porto Alegre (RS) - Arquivo pessoal

O termo é usado entre os colecionadores, que costumam reunir diferentes espécies da planta em casa, geralmente com um propósito específico. "Orquidófilo é aquele que tem um critério em sua coleção, na busca da flor perfeita, seja pela forma, variedade ou cor", explica Delfina Araújo, curadora da coleção de orquídeas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Para atingir o exemplar perfeito, vale tudo. Há alguns anos, muitos arriscavam entrar em matas à procura de uma espécie exótica. Hoje, um colecionador pode pagar preços elevados por uma única planta, viajar a países distantes para arrematar um exemplar em leilão ou plantar centenas de mudas.

Nem todos os orquidófilos são colecionadores profissionais. A aposentada Eni Bertolini, 60, também começou a cultivar orquídeas após visitar uma exposição em Campinas (SP). Desde então, passou a acumular exemplares em sua casa, muitos dos quais recebeu de presente. Atualmente possui cerca de 90 plantas, distribuídas em vasos, jardineiras e em troncos de árvores.

A aposentada Eni Bertolini, 60, mantém orquídeas em sua casa em Campinas (SP)
A aposentada Eni Bertolini, 60, mantém orquídeas em sua casa em Campinas (SP) - Arquivo pessoal

Os cuidados com as orquídeas, seja uma única ou na casa da centena ou milhar, são essenciais para mantê-las bonitas. A espécie ganhou fama de complicada, mas sobrevive bem se algumas condições forem garantidas. "Muitas pessoas acham que a planta morreu depois que caem as flores, mas ela ainda está viva.Sabendo cultivá-la, teremos novas floradas em outras estações. É uma planta perene, com ciclo de vida longo", explica Anselmo Castro, professor de jardinagem do Senac.

Ele recomenda manter as plantas em local iluminado, próximo à uma janela, mas sem insolação direta. A ventilação, importante para afastar pragas, é bem-vinda, mas sem excesso. E a rega deve ser feita de duas a três vezes por semana, quando o substrato (material no qual a orquídea foi plantada) estiver seco.

Para quem está começando, Delfina Araújo recomenda ir devagar, adquirindo poucas espécies que tenham necessidades semelhantes. À medida em que a coleção cresce, um planejamento também pode se tornar importante. "No início do ano faço um programa de adubação, outro para usar herbicida, etc. Fica mais fácil de cumprir, e você consegue apreciar, não vira só uma obrigação", afirma Cláudio.

Outro item essencial é paciência para aguardar o crescimento da planta. "É observando que se descobre as necessidades da planta, se ela está gostando ou não do substrato, da frequência da rega, da adubação", afirma Araújo.

Um pouco de simpatia também cai bem. "Pode parecer loucura, mas converso com elas e por isso estão sempre florindo para mim", conta Eni. Enquanto alguns têm pressa para a próxima florada, Cláudio aproveita o tempo da planta a seu favor. "A gente brinca que compra uma mudinha bem novinha, por que em média ela vai levar uns cinco anos para dar flor, para prorrogar a vida, para dar tempo de ver a próxima", diz.

Para cuidar de orquídeas

- Procure conhecer sua planta, descubra sua espécie e quais os cuidados recomendados

- A maior parte das orquídeas está adaptada para viver à meia-sombra, ou seja, próxima da luz, mas sem sol direto nas folhas

- Uma boa ventilação ajuda para afastar pragas e doenças, mas evite vento direto e muito forte. Um bom espaçamento entre as plantas também é bem-vindo

- Orquídeas gostam de umidade moderada. Regue de 2 a 3 vezes por semana, e volte a colocar água quando o substrato (material no qual a planta vive) estiver seco

- Para quem cultiva em apartamentos: mantenha os vasos próximos à janela, mantendo uma boa circulação de ar. No inverno, deixe as janelas mais fechadas para conservar o calor. Evite vento direto canalizado

- Não deixe as folhas encostarem nos vidros da janela, para não queimá-las. Estruturas nas paredes, como treliças e suportes, são boas opções, mas é possível deixá-las em mesas

- Adube periodicamente com fertilizantes encontrados facilmente em lojas de jardinagem

Fonte: Anselmo Castro, professor de jardinagem do Senac (SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.