Descrição de chapéu Copa América

Artilheiro da Venezuela sofreu com racismo e foi goleador na Inglaterra

Salomón Rondón fez 11 gols e deu sete assistências na última Premier League

Bruno Rodrigues
São Paulo

Foram 11 gols em 32 jogos na última edição da Premier League, sua primeira com a camisa do Newcastle. Porém, o gol mais importante de Salomón Rondón na atual temporada aconteceu há pouco mais de uma semana, nos Estados Unidos.

No melhor estilo "camisa 9 rompedor", o venezuelano recebeu lançamento longo na grande área, cortou o marcador e bateu forte de perna esquerda para fechar a vitória por 3 a 0 sobre os americanos, em amistoso preparatório para a Copa América.

Rondón em ação contra os EUA, no jogo que o colocou como maior artilheiro da Venezuela
Rondón em ação contra os EUA, no jogo que o colocou como maior artilheiro da Venezuela - Andy Lyons/AFP

Foi o segundo de Rondón no jogo, uma dobradinha que o levou ao topo da lista de artilheiros históricos da seleção da Venezuela com 24 gols, ultrapassando Juan Arango, aposentado da equipe nacional desde 2015, com 23.

É justamente com ele, Salomón Rondón, que o Brasil deverá ficar esperto nesta terça-feira (18), em Salvador.

Com 11 gols e sete assistências no último Campeonato Inglês, o centroavante venezuelano participou diretamente do mesmo número de gols que Roberto Firmino, titular do técnico Tite e que anotou 12 vezes, além de seis assistências, na campanha de vice-campeão com o Liverpool.

Ainda contabilizando bolas na rede e passes para gol, Rondón foi mais decisivo de forma direta do que Richarlison, o artilheiro brasileiro na Premier League com 13 gols, mas dono de só uma assistência.

Aos 29 anos, o atacante já tem mais de uma década atuando na Europa. Revelado em 2006 pelo Aragua, da Venezuela, passou por Las Palmas e Málaga, no futebol espanhol, e por Rubin Kazan e Zenit, no futebol russo.

Na Rússia, o atleta foi vítima de racismo por parte dos próprios torcedores do Zenit. No fim de 2012, o principal grupo organizado do clube lançou um manifesto exigindo que a equipe fosse formada somente por jogadores brancos e heterossexuais.

"Havia alguns torcedores que gritavam 'macaco' para mim. Era difícil não escutá-los. Mas eu não queria dar a eles a importância que eles buscavam. Sou muito feliz com minha cor, muito orgulhoso. E para mim é melhor, não me queimo no sol", disse Rondón em entrevista ao Guardian, em 2016.

O venezuelano está há quatro anos na Inglaterra, onde vestiu as camisas do West Bromwich e do Newcastle, este último por empréstimo e depois de seguir o conselho de um ex-atacante do clube, o colombiano Faustino Asprilla, que garantiu ao colega que Newcastle seria uma boa cidade para viver com a família.

Uma tranquilidade que Rondón, por outro lado, não consegue em seu próprio país, mergulhado em uma crise econômica, política e social.

"É um momento difícil para o povo venezuelano. A única coisa que faz eles esquecerem dos problemas é o futebol. É uma distração", diz o atacante, que não retornou a Caracas nas últimas férias por medo de virar alvo da violência exacerbada pela crise.

"É difícil, todo mundo me reconhece. Melhor trazer minha mãe e meu pai para cá [Inglaterra] do que eu ir", revela o camisa 23, que utiliza o número em homenagem ao ídolo Michael Jordan.

Rondón comemora gol contra o Liverpool na Premier League
Rondón comemora gol contra o Liverpool na Premier League - Lee Smith/Reuters

Na Venezuela, o futebol briga com o basquete pelo posto de segundo esporte mais popular do país. Na primeira colocação –e com alguma distância– está o beisebol.

Na adolescência, dividindo o tempo entre os campos e as quadras, o atacante chegou a cogitar a troca do futebol pelo basquete, mas fez mesmo a escolha pelas chuteiras.

Hoje, Salomón Rondón é a figura venezuelana mais importante do futebol mundial. E ele crê que pode utilizar esse alcance para minimizar o sofrimento em seu país.

"Minha responsabilidade é fazer o povo da Venezuela orgulhoso. Quando jogamos pela seleção nacional, tentamos fazer com que eles esqueçam as coisas ruins, nem que seja por 90 minutos", completa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.