Descrição de chapéu Coronavírus Tóquio 2020

Bach diz que adiamento da Olimpíada exigirá sacrifícios de todos

Presidente do COI não vê demora na decisão, tomada a 4 meses do início dos Jogos

São Paulo

Em sua primeira entrevista coletiva após o anúncio do adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, afirmou que montar o novo quebra-cabeça do evento exigirá sacrifícios e compromissos de todos os envolvidos na sua organização.

Numa decisão histórica, a Olimpíada, que tinha abertura marcada para 24 de julho, foi adiada por causa da pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

"As federações internacionais têm seus calendários. Vai ser um custo adicional para os japoneses. O primeiro-ministro Abe se comprometeu a fazer tudo o que for preciso pelo seu lado. Isso inclui os jornalistas, os atletas. Todos são impactados", declarou o alemão nesta quarta (25).

Ele disse também que os Jogos deverão ser realizados até o verão (no hemisfério norte) do próximo ano, mas não estão restritos a esse período. Poderiam, por exemplo, ocorrer durante a primavera.

Isso dependerá da readequação de todo o calendário esportivo. As federações internacionais de natação e atletismo, por exemplo, já repensam novas datas para os campeonatos mundiais marcados para julho e agosto, respectivamente. Essas competições são suas principais fontes de receita.

Craig Spence, porta-voz do Comitê Paraolímpico Internacional, descreveu o cenário atual da seguinte forma: "É como levar sete anos para montar o maior quebra-cabeça do mundo e, faltando apenas uma peça para terminar, ter que começar de novo, mas agora com menos tempo".

Questionado sobre uma possível demora do COI para anunciar o adiamento e o fato de só ter feito isso após ser submetido a muita pressão de atletas e vários comitês olímpicos nacionais, entre eles o dos Estados Unidos, Bach negou.

Afirmou que o cenário da saúde mundial mudou rapidamente nos últimos dias e que esperava chegar a um acordo com os organizadores locais para bater o martelo.

Thomas Bach, presidente do COI, responde a perguntas sobre adiamento dos Jogos
Thomas Bach, presidente do COI, responde a perguntas sobre adiamento dos Jogos - Denis Balibouse/Reuters

"Estávamos expressando nossa confiança nos nossos parceiros japoneses em organizar os Jogos em julho, em uma condição de segurança. A dinâmica mudou na saúde mundial. Para o adiamento, precisávamos do compromisso dos nossos parceiros japoneses. Era o que estávamos buscando e conseguimos na terça (24)", disse.

O presidente do COI destacou ainda o que deve se tornar o novo lema dos Jogos de 2021 (que oficialmente continuarão sendo chamados de Tóquio-2020): "A chama olímpica pode ser uma luz no fim desse longo túnel da humanidade. Não sabemos quanto tempo vai durar".

Uma força-tarefa chamada "Aqui vamos nós" foi formada para discutir as readequações e os próximos passos na organização da Olimpíada.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.