Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Veja coleção de frases de Pelé e ouça trecho de música para a seleção

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Pelé tem uma coleção de frases polêmicas. Desde bate-boca com Maradona até sobre o regime militar. De críticas aos clubes e dirigentes a jogadores. Aos políticos

Veja abaixo outras frases históricas do ex-jogador:

Nacho Doce-8.mai.2014/Reuters
Pelé acena durante evento publicitário na avenida Paulista, em São Paulo
Pelé acena durante evento publicitário na avenida Paulista, em São Paulo

*

"Brasileiro não sabe votar."
Durante o regime militar

-

"Pensem no Natal, pensem nas criancinhas."
Em 1969, após marcar seu milésimo gol

-

"Bem preparado fisicamente, disputaria brincando mais uma Copa. Tecnicamente me sinto em grande forma. Não esqueci nada do que fiz durante 20 anos."
Em 1986, aos 45 anos, antes da Copa do Mundo

-

"Muita gente não sabe, mas não joguei em 1974 por desgosto em relação ao regime político do país. Era a época da ditadura."
Em 1988, sobre sua ausência no Mundial

-

"Cá entre nós: essa ideia de o Edinho jogar no gol só pode ser praga dos goleiros que sofreram com os meus gols."
Sobre o seu filho, o goleiro Edinho

-

"Fui covarde, quando jogava. Só me preocupava com a evolução da minha carreira."
Em 1996, sobre não ter lutado por boas condições para os jogadores

-

"O futebol vai morrer."
Em 2001, prevendo o futuro do esporte depois da confusão da Copa João Havelange

-

"Foi um passo muita à frente, para o qual os dirigentes não estavam preparados."
Em 2001, reconhecendo a derrota da Lei do Passe, trecho da Lei Pelé que desvincula jogadores de clubes

-

"Antes de falar do Pelé, Maradona precisa pedir autorização para o Zico, o Sócrates, o Romário, o Tostão, o Rivelino."
Em 2000, respondendo a críticas feitas pelo argentino

Associated Press
Maradona e Pelé trocam camisas durante a estreia de programa de TV na Argentina em agosto de 2005
Maradona e Pelé trocam camisas durante a estreia de programa de TV na Argentina em agosto de 2005

-

"Eu não sou louco."
Em 2001, descartando qualquer possibilidade de ser técnico da seleção brasileira

-

"É incrível poder elogiar um goleiro do Brasil pela primeira vez na história."
Em 2002, sobre as atuações de Marcos na seleção

-

"Nunca precisei de Viagra. Mas já vi amigos bastante perturbados por terem esquecido o remédio ao saírem para uma noitada."
Em 2002, quando foi o garoto-propaganda do Viagra

-

"Tento sempre separar o Pelé do Edson. O Edson é uma pessoa normal de carne e osso, e o Pelé, como diz o próprio título do documentário, é o Pelé Eterno."
Em 2004, explicando seu famoso discurso na terceira pessoa

-

"Os caras roubam os clubes, acabam com o dinheiro, e vêm botar a culpa na Lei Pelé."
Em 2004, culpando os dirigentes pela situação dos clubes de futebol

-

"Acho justo ele fazer a vida lá fora. E, se não se ajeitar na vida, mais tarde ninguém vai lembrar dele. Tem um monte de ex-jogador que passa necessidade e ninguém quer saber."
Em 2005, sobre a possibilidade de Robinho trocar o Santos pelo Real Madrid

-

"Igual a Pelé não tem nem vai ter. Minha mãe me fez e fechou a fábrica."
Em 2005, respondendo a Romário

-

"Hoje você tem jogadores no Manchester United, Real Madrid, Milan, ou em qualquer outro clube, que chega e beija a camisa. No dia seguinte, ele muda de time e beija outra camisa. Acho que isso é algo que precisamos prestar atenção para a próxima geração"
Em julho de 2009

-

"Um país que também não estava jogando bem mas eu acho que para essa Copa do Mundo vai ser um país difícil é a Inglaterra, que pode ter uma equipe poderosa... Entra para chegar entre as quatro."
Em março de 2010. A Inglaterra ficou em segundo em sua chave, atrás dos EUA, e caiu diante da Alemanha nas oitavas de final

-

"O Maradona só jogava com a perna esquerda e não era muito forte de cabeça. O Messi é mais ou menos uma cópia dele. O Neymar pode vir a ser melhor que os dois."
Em 2012, sobre o potencial de Neymar

-

"O time que poderia servir de base para a seleção é o Corinthians. É um time que está sem nenhum craque, mas tem jogado bem, vencido e provando que é um time forte."
Em 2013, sobre como deveria ser escalada a seleção

-

"Pediram para eu voltar para seleção, eu não voltei. Eu já tinha me despedido do Santos, mas eu estava bem demais. Mas o Geisel [presidente da República entre 1974 e 1979], a filha dele, veio falar comigo, para eu voltar e jogar a Copa de 74. Por um único motivo não aceitei: estava infeliz com a situação da ditadura no país. Estava preocupado com o momento. Em apoio ao país, eu recusei, pois estava muito bem (físico e técnico) e poderia jogar em alto nível"

"A ditadura estava exigindo demais do povo. Em 1970 era diferente, a seleção era comandada pelo [técnico] Zagallo, mas o Parreira e o Coutinho eram do exército, e a situação era melhor"
Em junho de 2013, em entrevista ao UOL

-

"Espero que a gente tenha essa consciência: deixar passar a Copa do Mundo. Aí vamos reivindicar o que os políticos estão roubando ou desviando. Isso é outra coisa. O futebol só traz divisas e só traz benefício para o Brasil"

"Acho que o futebol não tem nada a ver com a corrupção dos políticos. O futebol sempre enalteceu o Brasil. Os jogadores sempre trouxeram promoção muito grande para o Brasil"
Em janeiro de 2014, em entrevista para a ESPN Brasil

-

"Não é uma boa ideia realizar manifestações porque a seleção brasileira promove o Brasil. Não é culpa dela se existe corrupção no país."
Em Março de 2014

"É inaceitável que alguns estádios não estão terminados. Tivemos muitos anos, um tempo mais do que suficiente. É uma vergonha"

"Espero que nós possamos usar essa vantagem. Da Europa, Espanha e Alemanha são os melhores. A Espanha tem uma equipe que está no topo por muitos anos. A Alemanha está muito bem organizada e joga ofensivamente, quase mais brasileiro do que nós!"
Em maio de 2014

"Já nos deu tanta alegria/ já chorei de emoção/ futebol está na veia da nossa nação"
*Trecho de música que compôs para a seleção, revelada em entrevista à colunista da Folha Mônica Bergamo

OUÇA PELÉ CANTANDO TRECHO DA
MÚSICA QUE FEZ PARA A COPA:

Ouça

-

"O Edson é quem cuida do Pelé. [risos]. Então, sempre está com saúde [risos]. Mas [pensar na morte] é normal. Infelizmente, perdi alguns amigos, como o Jair Rodrigues. Fizemos até músicas juntos. O Luciano do Valle também. [A morte] está chegando muito perto dos amigos. É uma coisa para a qual tem de estar preparado."

"O Cristiano é um jogador que finaliza. Ele é o Ronaldo, ele é até o Dadá Maravilha. Mas hoje não tem com quem comparar o Cristiano Ronaldo, entende? Se fosse há quatro ou cinco anos, seria difícil ele ser apontado como melhor jogador porque a disputa seria mais forte. Já o Messi, tecnicamente, joga mais. Faz gols, arma, joga no meio."
Em maio de 2014, em entrevista para a Folha

-

Veja vídeo

Assista ao vídeo em tablets e celulares

-

O Rei também carrega a fama de pé frio ao não acertar quem é o favorito para a Copa, fato que valeu até um vídeo bem humorado dos colombianos 20 anos depois de Pelé dizer que a Colômbia era a favorita para o Mundial nos Estados Unidos.

Veja vídeo

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Jogo Roubado
Brett Forrest
De:
Por:
Comprar
Festa Brasil (DVD)
Vários
De:
Por:
Comprar
The Yellow Book
Toriba Editora
De:
Por:
Comprar
Futebol Objeto das Ciências Humanas
Flávio de Campos (Org.), Daniela A.
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade
Voltar ao topo da página