Jorge Amado declarou amor por Zélia Gattai em sua coluna na Folha

Antifascista, escritor usava o espaço para combater o nazismo de Hitler

Porto Alegre

O leitor da Folha da Manhã que comprasse o jornal em 1945 podia ler, três vezes por semana, a coluna "Conversa Matutina", do escritor baiano Jorge Amado.

Autor já consagrado, ele havia lançados 12 livros até então, incluindo alguns dos seus principais títulos como "Capitães da Areia" (1937) e "Terras do Sem-Fim" (1943).

Entre abril e julho daquele ano, pelo menos 46 colunas assinadas por Amado foram publicadas na Folha da Manhã, segundo pesquisa no acervo da Folha. O nome dele era seguido da informação "Especial para a Folha da Manhã".

Zélia Gattai e Jorge Amado em Moscou em 1951, seis anos depois da coluna publicada na Folha da Manhã - Reprodução

Em 1945, as Folhas —como eram chamadas as duas publicações da mesma empresa, uma da Manhã e outra da Noite— tinham tiragem de 80 mil exemplares. A circulação, cinco vezes maior do que a registrada no final da década anterior, foi impulsionada especialmente pela necessidade de informações sobre a Segunda Guerra Mundial.

O conflito era um dos principais temas abordado por Amado nos textos no jornal. "As viúvas, os órfãos, os mutilados, os tuberculosos, todas as vítimas do crime nazista se levantarão para acusar. E nada poderá salvar aqueles que ajudaram Hitler e Mussolini", escreveu em 15 de maio de 1945, sobre a punição dos crimes de guerra. O título desse texto era "Ciranda dos Traidores".

O escritor era antifascista e usava o espaço para combater o nazismo de Hitler. Comunista, exaltava os esforços da então União Soviética para derrotar os nazistas. Anti-imperialista, admirava até mesmo os EUA por terem se somado às forças Aliadas contra o Eixo. A Folha revelou que a CIA, a agência de inteligência dos EUA, monitorava Amado. "Garoto de recados dos comunistas", dizia um documento.

"Como os soviéticos acabaram conseguindo vencer Hitler, durante um bom tempo no pós-guerra, os comunistas eram vistos como pessoas que salvaram o mundo do fascismo", diz Josélia Aguiar, biógrafa do escritor e autora de "Jorge Amado: uma biografia" (Todavia, 2018).

Hoje tal fato pode soar contraditório, ressalta ela, já que as execuções e campos de concentração de Stálin são amplamente conhecidos. O próprio Amado, na época stalinista, rompeu com o Partido Comunista em 1956 quando veio à tona o chamado Relatório Kruschev, que revelou as atrocidades do ditador.

Entre tantos textos combativos, chamou atenção o tom apaixonado de um deles.

Jorge Amado conheceu Zélia Gattai naquele ano em São Paulo. Ela passou a trabalhar como voluntária em um comitê na praça da República. O movimento, além de apoiar o revolucionário Luís Carlos Prestes, pedia eleições livres contra o Estado Novo.

O escritor perguntou a Gattai se ela lia suas colunas na Folha. Ela disse que sim. "Pois não deixe de ler a de amanhã", ele recomendou. A cena é descrita no livro "Um Chapéu para Viagem" (1982), de Gattai. Consta também na biografia recente de Aguiar.

No acervo da Folha é possível encontrar a declaração de amor. Na coluna, parcialmente ilegível, o que se lê é uma oferta do "marinheiro pra Yemanja". O eu-lírico fala em dar "um pente pra teus cabelos penteares" e "um anel para teus dedos". "Te darei meu saveiro para nele passeares", "cantarei para teu sono sossegar" e "irei buscar a lua", escreve. "Te darei meu corpo para o afogares", finaliza.

O conteúdo da coluna confere com aquele recordado por Gattai. "A crônica — crônica ou declaração de amor? —, que meus olhos devoraram logo cedo, na manhã seguinte, era romântica e apaixonada. Não citava nome, nem era preciso; num certo trecho dizia assim: 'Eu te darei um pente pra te pentear, colar para teus ombros enfeitar, rede para te embalar, o céu e o mar eu vou te dar...", ela escreveu quase 40 anos depois.

A "manhã seguinte" tinha significado especial não só por causa da confissão amorosa no jornal. Amado avisou Gattai sobre a surpresa no dia do seu aniversário de 29 anos, em 2 de julho de 1945. A coluna foi publicada no dia 3.

"Ela já tinha admiração pela figura do escritor e foi corajosa para romper seu primeiro casamento, já que o divórcio não existia na época. Ele já tinha fama de mulherengo, mas deu muito certo, se completavam mesmo. O fato de terem posicionamento político igual foi fundamental. Ela não era só a bonita, agradável, cativante. Ela tinha também a militância", diz a biógrafa.

Na Folha da Manhã, Amado escreveu também sobre artes visuais, música e literatura, dedicando uma crônica a um dos seus autores preferidos, o inglês Charles Dickens. Mas mesmo quando escrevia sobre esses temas, não escapava da guerra e da ditadura do Estado Novo.

"Este é um ano pouco literário, ano que todas as atenções se voltam para os problemas políticos, quando os escritores, acertadamente, gastam os espaços dos jornais no comentário à situação nacional e internacional. As obras literárias não podem desejar grande repercussão neste ano de 1945, por mais importantes que elas sejam", escreveu em 26 de maio. O tema principal do texto: "Oswald de Andrade, o grande romancista".

Em São Paulo, viveu em um apartamento na avenida São João. "Procurei durante muito tempo descobrir qual era o número. Encontrei cartas para ele desta época, mas não vi envelopes, por isso fiquei sem saber o número exato do endereço", conta a biógrafa. Segundo ela, o autor morou na cidade de janeiro ou fevereiro até o final do ano, quando saiu de férias após a eleição.

Filiado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), o escritor foi eleito deputado federal por São Paulo. No ano seguinte, participou da Constituinte, sendo autor da lei da liberdade religiosa.

Nas suas crônicas, tanto na Folha da Manhã como em O Imparcial, de Salvador (a partir de 1942 na coluna "Hora da Guerra"), Amado combatia o preconceito contra judeus, principais vítimas do nazismo. A coluna no jornal soteropolitano durou até janeiro de 1945, quando se mudou para São Paulo.

"Ele usava palavras e expressões que voltaram à tona recentemente, como obscurantismo, métodos feudais, nazifascistas. São discussões bastante atuais para a pauta de hoje, incluindo o antissemitismo", explica o pesquisador Márcio Muraca, autor de "Jorge Amado e o Judeu".

Em 25 de abril de 1945, citando o noticiário, Amado escreveu o seguinte na Folha da Manhã: "Há dois anos, dos 35 mil judeus que ainda resistiam no gueto de Varsóvia, 23 mil foram assassinados pelos nazis e os demais doze mil postos em campos de concentração".

"Na obra literária, o judeu aparece como um ser sensível, intelectual, culto e comunista. Um desses personagens é Samuel, do romance 'Farda, Fardão, Camisola de Dormir'. Ele é jornalista, uma figura ligada à escrita", diz Muraca.

Na noite de 3 de julho de 1945, dia em que se declarou para Gattai no jornal, Amado perguntou se ela tinha lido "o que escrevera pensando nela". "Perturbada", ela disse que leria mais tarde.

Amado, então, pediu ajuda para a última palavra do discurso que faria em um comício. "Amor", respondeu Gattai.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.