Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/07/2005 - 19h18

PFL cruza saques de empresa com Valério e data de votações no Congresso

Publicidade

FELIPE RECONDO
da Folha Online, em Brasília

A liderança do PFL divulgou uma lista de saques das empresas do publicitário Marcos Valério, avalista do PT, no Banco Rural que coincidiriam com votações de projetos considerados importantes para o governo.

De acordo com os dados do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), no dia e na semana seguinte à votação da reforma da Previdência, os saques de dinheiro somaram R$ 318 mil. No dia em que o texto da reforma tributária foi levado a plenário no primeiro turno, R$ 100 mil foram sacados e na semana seguinte, mais R$ 1,2 milhão.

No entanto, o levantamento, conforme admitiu o líder do PFL no Senado, José Agripino (PFL-RN), não passa de uma "ilação", de uma "coincidência".

Vários saques não coincidem com qualquer votação. Há retiradas de recursos que juntas somam, por exemplo, R$ 5 milhões e que não têm relação com nenhuma votação importante em plenário.

Outros saques batem com datas em que projetos nada polêmicos eram votados. Um exemplo aconteceu à época da votação do estatuto do idoso. No dia da votação desse projeto, a SMPB, empresa de Valério, que já teve os sigilos bancário, fiscal e telefônicos quebrados, sacou R$ 250 mil. O problema é que a votação foi simbólica e o tema era consensual entre governo e oposição.

Na data em que o estatuto do desarmamento foi a voto, a retirada chegou a R$ 200 mil. No dia anterior, R$ 300 mil saíram da conta da empresa. A votação desse tema foi polêmica não pela relação entre governistas e oposicionistas, mas pelo confronto ideológico entre parlamentares adeptos e contrários ao desarmamento.

Leia mais
  • Assinei contrato em confiança a Delúbio, diz Genoino
  • Silvio Pereira pede afastamento de suas funções no PT
  • Conselho pode pedir quebra de sigilos de Jefferson
  • Executiva Nacional do PT se reúne em São Paulo

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre o caso da mesada no Congresso
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página