Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/09/2006 - 16h18

PF pode solicitar prorrogação da prisão de suspeitos de negociar dossiê

Publicidade

da Folha Online

A Polícia Federal pode solicitar a prorrogação da prisão de Valdebran Padilha, filiado ao PT do Mato Grosso, e Gedimar Pereira Passos, agente aposentado da PF que disse estar a serviço do Partido dos Trabalhadores. Os dois foram detidos ontem em São Paulo, em caráter temporário, sob suspeita de intermediar a compra de documentos que mostrariam o suposto envolvimento de José Serra, candidato tucano ao governo de São Paulo, e Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência, com a máfia dos sanguessugas.

Segundo a PF, a partir de segunda-feira o delegado Diógenes Curado Filho assume o caso. Ele deve examinar as provas e, caso ache necessário, pode solicitar a ampliação do prazo de prisão de Padilha e Passos.

Os dois devem permanecer presos por cinco dias. Quando foram presos, de acordo com fontes da PF, Padilha e Passos estavam com R$ 1,7 milhão --R$ 1,168 milhão e mais US$ 248 mil. A suspeita é que o dinheiro seria usado para a compra dos documentos de Luiz Antônio Vedoin, sócio da Planam, principal empresa do esquema das ambulâncias superfaturadas.

Eles não foram presos em flagrante, pois não é crime portar dinheiro em espécie. A ilegalidade se confirmará se eles não conseguirem comprovar a origem do dinheiro apreendido.

Leia mais
  • Advogado preso diz à PF que dinheiro veio do PT
  • Berzoini nega que PT tenha pago por dossiê
  • Serra não vê evidência sobre iniciativa de dossiê

    Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página