Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/05/2006 - 08h31

Para 85%, a violência afetou rotina da família

Publicidade

da Folha de S.Paulo

A rotina da família foi afetada pela onda de violência de anteontem na opinião de 85% dos entrevistados pelo Datafolha. Foi a rotina mais afetada quando se tenta aferir o impacto dos ataques no cotidiano do paulistano.

O transporte aparece logo em seguida, em conseqüência dos 111 ônibus incendiados e das linhas que não circularam por temor de que os veículos fossem alvos de ataques. A locomoção foi afetada pela ação do PCC na opinião de 83%. Já a rotina do trabalho foi alterada segundo 72%.

A rotina que sofreu menos alteração foi a dos estudos: 61% dizem que não mudaram o seu dia-a-dia nessa área, apesar das dezenas de escolas e universidades que dispensaram os alunos.

A apreensão quanto à segurança de parentes e amigos deixou 77% dos paulistanos muito preocupados. Apenas 7% dos moradores da capital declararam não ter preocupação.

Inseguros e com medo, muitos tentaram entrar em contato com familiares por telefone. A sobrecarga no sistema provocou uma pane no sistema de telefonia celular e impediu muitas ligações de serem completadas.

Curiosamente, nenhum entrevistado declarou ter recebido informações sobre a crise na segurança pública por telefone celular. Apenas 2% afirmaram ter usado o telefone fixo para essa finalidade. A grande fonte de informação para os paulistanos foi a TV: 80% recorreram a esse meio para se informar, de acordo com o Datafolha. Muitos canais suspenderam a programação normal para enfatizar a cobertura da crise; outros adotaram flashes durante a programação.

O rádio foi usado por 11% dos paulistanos para obter notícias do que ocorria na cidade e a internet só foi citada por 4% dos entrevistados. A conversa com colegas de trabalho foi citada por 3% das pessoas.

Muito medo

Para 46% dos entrevistados, os episódios dos últimos dias causaram "muito medo", enquanto 33% citam "pouco medo" e 21% "nenhum medo". Entre as mulheres, o percentual das que dizem ter sentido "muito medo" atinge 60%. Já entre os homens esse índice cai pela metade --31%.

Praticamente a metade dos paulistanos (exatamente 47%) dizem acreditar que os ataques coordenados pelo PCC vão voltar a ocorrer na cidade, de acordo com a pesquisa. Um percentual similar a esse (44%) acha que esses eventos violentos vão parar.

Leia mais
  • Governo decide obrigar teles a instalar bloqueador de celular em presídio
  • Leia repercussão sobre a onda de violência que atinge SP
  • Polícia mata suspeitos de ataques em nova madrugada violenta em SP

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o PCC
  • Leia a cobertura completa sobre os ataques do PCC em SP

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página