Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/07/2006 - 17h49

Alemanha vence Portugal e deixa Copa com sabor do dever cumprido

Publicidade

THIAGO BARROS RIBEIRO
da Folha Online

A Alemanha venceu Portugal por 3 a 1, neste sábado, em Stuttgart, assegurou o terceiro lugar da Copa do Mundo e, com isso, terminou sua campanha em gramados locais com a sensação de que cumpriu o seu dever na competição.

Com uma equipe bastante modificada em relação às demais partidas, a Alemanha partiu ao ataque no início do jogo de hoje, dando a impressão de que o duelo repetiria disputas pelo terceiro lugar de outras Copas, recheadas de gols e emoções. Porém, o primeiro tempo acabou não correspondendo às expectativas e terminou em branco.

No segundo tempo sim vieram os gols. Em cinco minutos, a Alemanha fez dois e praticamente decidiu a sorte do confronto. Aos 11min, Schweinsteiger chutou de fora e o goleiro Ricardo aceitou. Aos 16min, o mesmo Schweinsteiger bateu falta da esquerda e a bola foi desviada pelo português Petit antes de entrar.

Ainda houve tempo para Schweinsteiger fazer o terceiro dos alemães, aos 33min, em outro tiro de longe que, dessa vez, não deu chances a Ricardo, e para Portugal descontar, aos 43 min, quando Nuno Gomes completou de cabeça um cruzamento de Figo.

Com o triunfo derradeiro, os anfitriões ratificaram a mudança de clima que experimentaram ao longo do torneio. Desacreditada no início, a Alemanha conquistou a torcida com o esforço e a dedicação demonstrados em campo, revertendo situações difíceis como contra a Argentina, nas quartas-de-final, quando, com um time inferior tecnicamente, buscou o empate e se classificou nos pênaltis.

O maior exemplo dessa guinada alemã foi o técnico Jürgen Klinsmann, que teve seu cargo ameaçado pouco antes do início da Copa, depois de sofrer uma goleada de 4 a 1 para a Itália, e agora é alvo de uma campanha nacional por sua permanência à frente da seleção, com vistas à Eurocopa de 2008 e ao Mundial de 2010.

Com os gols anotados hoje, a Alemanha atingiu a marca de 14 tentos, melhor ataque da Copa pelo menos até a final de amanhã, em que a Itália precisará balançar as redes três vezes para igualar os alemães. Além disso, Miroslav Klose tem tudo para concluir o torneio como principal artilheiro, com cinco gols, marca mais modesta desde 1962.

Para Portugal, ficou o gosto amargo de, depois de ter nutrido esperanças de disputar a primeira final de sua história num Mundial, não ter conseguido sequer repetir a campanha de 1966, quando terminou em terceiro lugar da Copa da Inglaterra. Como se não bastasse, os portugueses igualaram a pior derrota em sua história nos Mundiais.

O jogo deve ter assinalado, por fim, a despedida de dois atletas marcantes para suas seleções. Oliver Kahn, de 37 anos, foi o capitão da Alemanha em seu 86º jogo pela equipe. Já Luis Figo, aos 33 anos, pode ter encerrado sua história de 127 partidas com a camisa portuguesa de forma menos gloriosa, com uma derrota e sem o almejado terceiro posto do Mundial.

O jogo

O jogo começou aberto, como costuma acontecer com as disputas de terceiro lugar em Copas, e a Alemanha foi ao ataque. Aos 5min, após uma cobrança de falta da direita, Metzelder cabeceou para trás e Kehl completou para o gol. A bola desviou na mão de Nuno Valente e os alemães reclamaram pênalti, não anotado pelo japonês Toru Kamikawa.

Portugal equilibrou as ações e, aos 15min, chegou com perigo pela primeira vez. Simão avançou pela meia esquerda e passou para Pauleta. Dentro da área, o atacante chutou na saída de Kahn, que espalmou.

Aos 20min, os donos da casa, com Kehl, assustaram. De fora da área, o meia do Borussia Dortmund mandou ao gol e Ricardo, um pouco adiantado, voltou a tempo de ceder apenas escanteio à Alemanha. Cinco minutos depois, numa falta pela direita, Podolski bateu forte e deu mais uma vez trabalho ao arqueiro português.

Portugal respondeu aos 31min, quando Deco recebeu de Simão e, já dentro da área, colocou um pouco acima do gol. A Alemanha, contudo, era mais insinuante e via seus ataques repetidamente interrompidos por faltas portuguesas, embora num escanteio, aos 36min, os lusitanos tenham perdido boa chance de abrir o placar, com a bola passando por toda a área alemã.

No mais, o ritmo do jogo diminuiu bastante e as duas equipes não criaram outras oportunidades reais até o término dos 45 minutos iniciais.

No segundo tempo, Portugal teve a primeira chance aos 6min, quando, da entrada da área, Simão bateu falta por sobre o gol de Kahn, que não conseguiria chegar no lance. Logo depois, Pauleta recebeu na área, mas, assim como na etapa inicial, não soube concluir a jogada.

Aos 11min, em seu primeiro chute no período final, a Alemanha conseguiu abrir o placar. Schweinsteiger partiu pela esquerda, cortou para o meio e, de longe, bateu. O tiro, apesar de forte, foi no meio do gol, mas o goleiro Ricardo falhou e a bola entrou.

Em seguida, aos 16min, veio o segundo tento dos anfitriões. O mesmo Schweinsteiger que marcara o primeiro, cobrou com violência uma falta pela esquerda. A bola passaria à esquerda do gol português, mas Petit desviou e o lance terminou no fundo das redes de Ricardo.

Atrás no placar, Portugal chegou bem aos 18min, quando Deco recebeu de Cristiano Ronaldo e, dentro da área adversária, bateu no canto esquerdo de Kahn, que praticou bela defesa, a melhor do jogo.

Aos 33min, Schweinsteiger, de longe o nome do confronto, sacramentou a vitória da Alemanha. Numa jogada muito parecida à do primeiro gol, o meia do Bayern de Munique bateu outra vez de fora, mas dessa vez o chute não deu a Ricardo qualquer chance de defesa: 3 a 0.

O time de Scolari ainda criou algumas boas chances e acabou premiado aos 43 min, quando Figo recebeu pela direita e cruzou para a área. Nuno Gomes aproveitou bem a jogada e completou de cabeça, fazendo o gol de honra de Portugal. As honras maiores, entretanto, ficaram mesmo para a Alemanha.


Especial
  • Veja a ficha técnica e o lance-a-lance de Alemanha 3 x 1 Portugal
  • Leia cobertura completa da Copa do Mundo-2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página