Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/11/2005 - 18h43

Em sabatina, Autran critica Gilberto Gil

Publicidade

MARY PERSIA
da Folha Online

Um apanhado da carreira, elogios a personalidades do teatro e críticas à política cultural. A sabatina da Folha realizada na tarde desta segunda-feira com Paulo Autran, 83, reuniu uma platéia que pôde conhecer um pouco mais da visão do ator e diretor de teatro sobre o mundo.

Entre histórias memoráveis e comentários sobre o mundo das artes cênicas, Autran não deixou de expressar sua opinião a respeito da atuação do ministro da Cultura. "O [Gilberto] Gil está ganhando muito dinheiro, tem cantado no mundo inteiro, encantado platéias. Mas, no Brasil, não sei o que ele fez. Pelo teatro, então, acho que ninguém sabe", disparou o veterano.

A política cultural de um modo geral, e especialmente as leis de incentivo, também não foram poupadas. "Antes, quando eu fazia uma peça, ia ao banco e assinava dez notas promissórias. Pagava mês a mês, com o dinheiro da bilheteria, e ainda sobrava algum. Hoje em dia, as peças estão muito caras", afirma Autran. "As leis de incentivo tiveram como efeito colateral o aumento do custo do teatro. Todo mundo [como equipe técnica e infra-estrutura] aumentou seu preço."

Sua história com as artes cênicas é antiga. Autran contou que seu primeiro personagem foi encenado aos sete anos, em uma peça escrita pela irmã. "Fiz o diabo, com chifres de papelão, calção vermelho e tudo. Entrei mudo e saí calado".

Cusparada

Ele, que cursou a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (Universidade de São Paulo) em 1945, estreou em um palco (ainda amador) em 1947. Em 1967 fez seu trabalho mais substancial para o cinema, "Terra em Transe", de Glauber Rocha. Ele integra o elenco de "A Máquina", de João Falcão, que estréia em breve nos cinemas brasileiros. Seu último trabalho na TV foi na minissérie "Hilda Furacão", da Globo.

Da longa carreira, colheu boas histórias, como a vez em que deu uma cusparada em Paulo Francis em defesa da amiga Tônia Carrero.

"Juntei bastante cuspe e cuspi com prazer", recorda ele. Em outra oportunidade, tentou dar um soco no crítico pelo mesmo motivo, mas não foi muito bem-sucedido. "Nunca havia dado um soco em ninguém. É difícil, sabe? O corpo se contrai, o braço fica sem força", revelou, bem-humorado.

Para o futuro, Autran revelou que irá ensaiar "O Avarento", de Molière, a partir de julho de 2006. Sobre o teatro, diz que não vai deixá-lo tão cedo. "Vou largar o teatro quando a natureza me tirar a voz ou o movimento das pernas. Se bem que uma peça em cadeira de rodas eu faria. Vou trabalhar até não poder mais."

Autran é o nono entrevistado da série de sabatinas da Folha. Participaram do evento o crítico da Folha, dramaturgo e professor de teatro Sergio Salvia Coelho, o diretor e dramaturgo Aimar Labaki e Lígia Cortez, atriz e diretora da escola de teatro Célia Helena. A mediação fica a cargo do jornalista Nelson de Sá, titular da coluna "Toda Mídia", da Folha, e autor de "Divers/idade - Um Guia para o Teatro dos Anos 90" (ed. Hucitec).

Leia mais
  • Crise é benéfica ao teatro, diz Autran
  • Para Autran, leis de incentivo prendem o teatro
  • Cuspi com prazer em Paulo Francis, diz Autran

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Paulo Autran
  • Veja como foram as sabatinas anteriores
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página