Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/01/2009 - 21h14

Departamento de Estado dos EUA quer cessar fogo em Gaza "assim que possível"

Publicidade

da Folha Online
com Reuters

O Departamento de Estado dos EUA comunicou neste sábado que trabalhava para obter um cessar fogo em Gaza e informou que manifestou ao governo israelense de que a ação militar deve ser "cuidadosa no que diz respeito às consequências para a população civil".

O departamento também afirmou que Washington está "profundamente preocupada com a situação humanitária" em Gaza, mas que a população local é refém do grupo Hamas no território.

Veja galeria de fotos sobre os ataques
Comente a violência em Gaza
Leia a cobertura completa dos ataques à faixa de Gaza

"É óbvio que um cessar fogo deve ter lugar assim que for possível, mas nós precisamos de um cessa fogo que seja permanente, sustentável e irrestrito", afirmou a porta-voz Sean McCormack no comunicado oficial.

Ofensiva

Tanques israelenses e a infantaria entraram na faixa da Gaza na noite deste sábado, na primeira ofensiva terrestre. Poucas horas antes, unidades de artilharia de Israel já haviam atacado pela primeira vez hoje alvos em Gaza, sinalizando uma nova fase do conflito contra o grupo radical islâmico Hamas, iniciado há oito dias apenas com ataques aéreos.

A emissora de TV israelense "Canal 2" informou que dezenas de milicianos palestinos morreram nos primeiros confrontos com soldados israelenses após o início da invasão de Gaza. A emissora cita "fontes militares", e pouco depois um oficial israelense confirmou à agência de notícias France Presse que dezenas de palestinos armados foram mortos nas primeiras horas da invasão terrestre.

O objetivo da operação por terra, segundo uma nota do Exército israelense, é "dar um duro golpe no Hamas" e reduzir o número de ataques da faixa de Gaza contra o território de Israel. A nota assinala que "os residentes de Gaza não são o objetivo da operação. Aqueles que usam os civis, os idosos, as mulheres e as crianças como escudos humanos são responsáveis de todos os danos à população civil".

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página