Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/12/2009 - 13h31

Vaticano retira estado clerical de ex-arcebispo Emmanuel Milingo

Publicidade

da Ansa, na Cidade do Vaticano

O Vaticano, que já havia excomungado o ex-arcebispo Emmanuel Milingo, decidiu nesta quinta-feira suspendê-lo definitivamente do estado clerical para impedir que ele cometa novos "graves delitos".

Ordenado arcebispo de Lusaka, na Zâmbia, em 1979, Milingo foi punido com a excomunhão "latae sententiae" [automaticamente] em 2006, por ter feito a ordenação como bispos de quatro sacerdotes casados nos Estados Unidos. Na época, ele também era casado com a sul-coreana Maria Sung.

"Infelizmente, Milingo não demonstrou o esperado arrependimento em vista do retorno à plena comunhão com o Papa e com os membros do Colégio Episcopal, cometendo novos crimes contra a humanidade da Santa Igreja", diz uma nota divulgada pela sala de imprensa do Vaticano.

De acordo com a Santa Sé, a decisão foi tomada após Milingo ter realizado novas ordenações episcopais nos últimos meses, o que foi considerado como um grave delito que demonstra a "persistente desobediência de Emmanuel Milingo" e que força a Sede Apostólica "a aplicar uma punição adicional, de retirar o seu estado clerical".

Com a decisão, passa a ser ilegítima a participação dos fiéis a eventuais novas celebrações promovidas por Milingo. Já o ex-religioso perde todos os direitos e deveres relacionados ao estado clerical e continua apenas com a obrigação do celibato.

O comunicado do Vaticano enfatiza ainda que a retirada do estado clerical de um bispo é um fato excepcional e que a Igreja ainda conserva a esperança em seu arrependimento.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página