Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/08/2006 - 01h16

ONU trabalha em duas resoluções para "parar a guerra"

Publicidade

da Efe, em Porto Príncipe

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, anunciou em Porto Príncipe que o Conselho de Segurança da ONU trabalha atualmente em duas resoluções sobre a crise no Oriente Médio.

A primeira resolução pedirá a "cessação das hostilidades" para tentar "parar a guerra", disse Annan, que chegou nesta quinta-feira (3) a Porto Príncipe em sua primeira visita oficial ao Haiti.

"As pessoas em Israel e no Líbano estão cansadas e os civis querem um pouco de paz", afirmou Annan.

A segunda resolução se refere à "solução política a longo prazo", que inclui "o posicionamento de uma força de estabilização no sul do Líbano". Annan disse que a missão terá que "trabalhar com o governo e o Exército libaneses" para que eles possam "exercer sua autoridade sobre todo o território do Líbano".

Annan reuniu-se com o presidente haitiano, René Préval, e outras autoridades do país. O secretário-geral da ONU apoiou os esforços do governo para estabilizar a situação no país, mas o mau tempo adiou a sua viagem à República Dominicana.

Desde o início da ofensiva israelense contra o grupo extremista libanês Hizbollah, em 12 de julho, o conflito deixou quase mil mortos. Só no Líbano, 900 pessoas morreram [26 soldados, 46 membros do Hizbollah e mais de 800 civis], há cerca de 3.000 feridos e um milhão de pessoas tiveram de deixar suas casas. Em Israel, confrontos e foguetes do Hizbollah mataram 68 (41 soldados e 27 civis). Entre as vítimas no Líbano, um terço são crianças com menos de 12 anos de idade.

Leia mais
  • Ouça relatos de brasileiros no Líbano e em Israel
  • Veja cronologia dos confrontos

    Especial
  • Leia mais sobre a Guerra no Oriente Médio
  • Veja fotos da atual onda de violência entre Israel e Líbano
  • Leia o que já foi publicado sobre a crise entre Israel e Líbano
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página