Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/07/2006 - 16h48

Ouça relatos de brasileiros no Líbano e em Israel

Publicidade

da Folha Online

A atual crise entre Israel e Líbano ocorreu após o seqüestro de dois soldados israelenses, além da morte de outros oito militares, em uma ação levada a cabo pelo grupo terrorista Hizbollah, no último dia 12.

Desde então, o governo Israel tem realizado ininterruptos ataques por ar, terra e mar, principalmente contra o sul do Líbano, onde o Hizbollah se concentra. Em resposta, o Hizbollah lança diariamente dezenas de foguetes Katyusha contra o território israelense.

Centenas de pessoas morreram e mais de mil se feriram nos dois lados. Entre os mortos no Líbano --a maioria civis libaneses--, há sete brasileiros, dos quais três são crianças.

Ouça a seguir relatos de brasileiros no Líbano e em Israel:

Yvette Zarmik Achkharian (Líbano)
Ouça relato de Yvette Zarmik Achkharian, 57, que estava no Líbano
"Larguei minha vida no Líbano em 1979, não quero mais ver guerra nem mortos na minha frente, eu tenho trauma de guerra. Quero sair daqui. Estou pedindo socorro", afirmou a libanesa naturalizada brasileira Yvette Zarmik Achkharian.

Mahmud Abdo Rahal (Líbano)
Ouça relato de Mahmud Abdo Rahal, 32, que estava no Líbano
Há nove dias no Líbano, o empresário Mahmud Abdo Rahal, 32, enfrenta dificuldades para deixar o país após o início dos bombardeios de Israel contra o sul libanês, na quarta-feira (12). Desesperado com a situação e com a falta de ajuda, ele diz que tentará deixar o Líbano de carro, acompanhado por seu irmão.

Nádia Dalank (Líbano)
Ouça relato de Nádia Dalank, 31, que estava no Líbano
A jornada de quem tenta escapar da violência no Líbano por conta própria inclui mais que orações para escapar dos bombardeios: é preciso ter paciência, sorte e dinheiro no bolso para pagar as "taxas extras" criadas pelo mercado informal do conflito entre Israel e o grupo terrorista Hizbollah.

Sérgio Fridman (Israel)
Ouça relato de Sérgio Fridman, 42, que vive em Israel
Além de deslocar milhares de moradores no Líbano e afetar grande parte da infra-estrutura daquele país, os confrontos entre Israel e o grupo terrorista Hizbollah também afeta moradores de Israel. Com medo dos foguetes do Hizbollah, o brasileiro Sérgio Fridman, 42, saiu de sua casa, temporariamente, e se mudou para a empresa em que trabalha.

Marcelo Mitelman (Israel)
Ouça relato de Marcelo Mitelman, 43, que vice em Israel
Marcelo Mitelman, 43, que vive em Israel desde 1984, tenta manter a rotina diária apesar da crise causada pelos confrontos entre Israel e o Hizbollah, no sul do Líbano, e acirramento do conflito entre israelenses e palestinos, na faixa de Gaza.

Leia mais
  • Veja cronologia dos confrontos

    Especial
  • Leia mais sobre a Guerra no Oriente Médio
  • Veja fotos da atual onda de violência entre Israel e Líbano
  • Leia o que já foi publicado sobre a crise entre Israel e Líbano
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página