Para violista, não há mulher na música clássica que não tenha má experiência

AMANDA NOGUEIRA
DE SÃO PAULO

A partir desta sexta-feira (12), o Masp recebe quatro concertos gratuitos cujos repertórios recuperam jornadas musicais do passado para tentar responder à pergunta vital: para que direções a sociedade caminha?

As apresentações do Ilumina Festival unem 19 estudantes latino-americanos a solistas brasileiros e estrangeiros, como o contrabaixista Pedro Gadelha e o cantor lírico inglês Matthew Rose.

É o resultado de uma imersão musical com oficinas e masterclasses realizadas em uma fazenda de café em Mococa, no interior paulista, neste mês. Para Jennifer Stumm, violista americana e idealizadora do evento, o Ilumina se pretende mais do que um festival, quer ser um laboratório.

"Passamos muito tempo na fazenda conversando sobre como podemos tornar o mundo das artes algo benéfico para a sociedade, como podemos encorajar diferentes níveis de responsabilidades", diz Stumm.

Um dos temas que se procura debater, diz ela, são os meios de proteger "estudantes vulneráveis". "Em geral, divisões sociais e de poder podem mudar o resultado de como nos sentimos sobre nós mesmos, como vivemos a nossa vida e como criamos."

Nas redes sociais, Stumm é uma das figuras que se engajam pela igualdade de gêneros na música clássica.

"Já vi muito do que eu consideraria maus-tratos, especialmente contra alunos vulneráveis, mulheres em conservatórios, certamente há muitas histórias de regentes que maltrataram pessoas e não tiveram nenhuma punição", diz ela. "Eu não conheço uma mulher na música clássica que não tenha tido uma má experiência."

Stumm diz aceitar praticamente todas as mulheres inscritas para o Ilumina, ainda que o critério de avaliação seja calcado, segundo ela, em "puro mérito". Ainda assim, diz, a seleção do projeto desemboca em uma minoria de cerca de 25% de mulheres.

"Em orquestras americanas, boa parte são garotas que estão conquistando as vagas, mas ainda precisam lutar para ser regentes ou compositoras ouvidas", diz, sobre a ausência de protagonismo feminino em cargos de poder.

Ao falar sobre o tema, Stumm faz referência à indústria cinematográfica hollywoodiana que virou palco para uma insurgência de denúncias de assédio e abuso sexual. "É a mesma pergunta: por que não temos tantas mulheres dirigindo filmes? Como uma mulher que dirige coisas, acho isso muito, muito idiota."

PROJETO

Se por um lado a igualdade de gêneros ainda se mostra distante do ideal, por outro a diretora afirma que a seleção do Ilumina compõe um grupo diverso cuja inclusão social é "quase automática".

"Tantos alunos brasileiros de música clássica vêm de históricos de desvantagens, aprendem a tocar em projetos sociais ou na igreja. Para entrar você precisa ser o melhor, mas parte do que consideramos como mérito é o que acreditam ser sua responsabilidade para com o futuro".

Além de doações de pessoas físicas, o festival recebe apoio financeiro da Sociedade de Cultura Artística, que, por sua vez, capta recursos via lei Rouanet para viabilizar sua temporada anual e ações paralelas, como o Ilumina -em 2018, a sociedade captou R$ 2,4 milhões pela lei de incentivo fiscal.

Stumm não revela o custo total do evento, mas afirma que ele é realizado por "uma porcentagem muito pequena do custo de festivais similares". Isso se dá em partes, diz, porque solistas convidados cobram cachê menor que o de costume para participar do projeto.

SEXTA (12)
20h - Jornada de Inspiração
O repertório destaca como compositores são influenciados por seus pares, traçando paralelos entre obras de músicos como Béla Bartók e Maurice Ravel.

SÁBADO (13)
15h - Jornada Solitária
Os britânicos Tom Poster (piano) e Matthew Rose (canto) executam "Winterreise", de Schubert.

20h - Jornada do Amor
Por meio de "Cartas Íntimas", de Leos Janácek, e do prelúdio de "Tristão e Isolda", de Richard Wagner, o repertório narra histórias de amor.

DOMINGO (14)
16h - Jornada da Alma
O concerto de encerramento levanta a questão: para onde vamos? A introdução, por um trio de clarinetistas, apresenta "A Pergunta Não Respondida", de Charles Ives.

ILUMINA FESTIVAL
QUANDO de sex. (12) a dom. (14), diversos horários
ONDE Auditório do Masp, Paulista, 1578, tel. (11) 3251-5644
QUANTO grátis, retirar ingressos no local 2h antes; programação completa em iluminafestival.org

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.