Mercury Rev toca em SP disco de maior sucesso da banda

As bandas Warpaint, Deerhunter e Metá Metá também tocam no festival Balaclava, neste domingo (4)

Thiago Ney
São Paulo

Ou vai ou racha.

Era esse o clima entre os integrantes da banda Mercury Rev antes do lançamento de “Deserter’s Song”, em setembro de 1998. Era o quarto disco da banda, que estava em frangalhos depois do fracasso do álbum anterior “See You on the Other Side”.

“Sim, nós iríamos nos separar depois de lançar o disco”, afirma o vocalista, Jonathan Donahue. Os discos anteriores passaram praticamente despercebidos, principalmente ‘See You…’, nós estávamos deprimidos, sem saber por que nada dava certo. Então ‘Deserter’s Songs’ era a nossa última tentativa de fazer a banda dar certo.”

E deu. Muito. “Deserter’s Songs” vendeu bem, serviu de trilha para lojas e eventos esportivos, e foi escolhido o melhor disco do ano por algumas publicações. 

Em 10 faixas (mais uma instrumental, escondida), o Mercury Rev (Donahue mais o guitarrista Sean “Grasshopper” Mackowiak, o núcleo duro da banda) construiu um disco em cima de harmonias cheias de nuances, com instrumentos como violinos, saxofones, flauta e amparadas por letras oníricas que ganham certa leveza com a voz meio aguda de Donahue.

“É o disco que teve mais resposta com os fãs, e nos impactou muito a minha vida e a banda. Tem uma emoção meio catártica, não sei. Me ajudou a seguir com a vida em uma época sombria, eu estava com depressão, triste. E não tinha muita confiança como compositor.”

Os integrantes da banda Mercury Rev, que se apresenta no festival Balaclava, neste domingo (4)
Os integrantes da banda Mercury Rev, que se apresenta no festival Balaclava, neste domingo (4) - Divulgação

Bem, “Deserter’s Songs” ajudou o Mercury Rev a seguir adiante, e neste domingo a banda toca o álbum por inteiro dentro do festival Balaclava, que será realizado no Audio, em São Paulo. Warpaint, Deerhunter e Metá Metá, entre outros, também tocam no evento.

Para Donahue, o disco “See You on the Other Side” (1995) é, até hoje, um dos melhores produzidos pelo grupo. Mas por que não deu certo? “Acho que porque à época todo mundo estava interessado apenas na briga Oasis x Blur, em britpop. Ninguém deu a mínima para um disco que tinha melodias singelas, harmonias. Queriam uma briga inflada pelos tabloides.”

O produtor de “Deserter’s Songs” (e da maioria dos discos do Mercury Rev) era Dave Friedmann. Em 1997/1998, ele trabalhou tanto no disco do Mercury Rev quanto no também elogiado “The Soft Bulletin”, do Flaming Lips. Mas a parceria com o produtor foi interrompida no último disco do MR, “The LIght in You” (2015).“Não brigamos nem nada, mas estávamos eu e Grasshopper no estúdio e Dave estava muito ocupado, então não teve como ele trabalhar conosco.”

*Ouça músicas da Mercury Rev*

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.