Descrição de chapéu
Cinema

Longa brasileiro faz elogio da revolta, mas sem renegar a dúvida

'Jovens Infelizes' expressa bem perplexidades, abismos, espantos com que o país se defronta no momento

Inácio Araujo

Jovens Infelizes ou um Homem que Grita Não É um Urso que Dança

  • Quando Estreia nesta quinta (7)
  • Classificação 18 anos
  • Elenco Suzana Aragão, Nani de Oliveira, Kiko Dinucci
  • Produção Brasil, 2016
  • Direção Thiago B. Mendonça

Veja salas e horários de exibição

Para começar, louve-se a coerência. Desde seus curta-metragens, o teatro é referência central nos filmes de Thiago B. Mendonça, o autor de "Jovens Infelizes".

O teatro ou a teatralidade, tanto faz. A ideia é que a representação é a base da existência. Cada um de nós representa um papel ao longo da vida.

No caso do longa-metragem, esses jovens infelizes do título não estão longe de nós nem são uma abstração. São, vamos dizer assim, esses jovens da geração que saía para protestar contra o aumento dos ônibus ou para gritar "fora, Temer", "não vai ter Copa" ou "ele não". Trata-se, enfim, de um filme de oposição.

 

Tudo muito bem: mas o que é, precisamente, oposição? Contra o quê ou a favor do quê é possível estar?

Essa oscilação é presente em vários momentos do filme: à enunciação de uma certeza sucede-se a dúvida, da mesma forma que o homem espancado na avenida Paulista (nossa histeria em estado máximo) depois retorna em outro papel (ator do filme).

Da mesma forma, alguém que se diz radical e ataca os supostos conformistas pode receber do conformista uma lição sobre radicalidade.

É este o encanto e a novidade desta estreia, que chega às salas depois de ganhar o prêmio principal do Festival de Tiradentes em 2016: trata-se de um elogio da revolta que não renega a dúvida.

O fascínio e a afinidade com a ideia de encenação atravessa o filme tanto quanto a resistência —da mesma forma que a menção a outros filmes traduz a filiação a certa tradição cinematográfica brasileira (a melhor, diga-se).

Por palavras, por gestos ou músicas, "Jovens Infelizes" expressa bem as perplexidades, abismos, espantos com que o país se defronta no momento.

Um filme excessivo, em vários sentidos. Inclusive na extensão. Não é bom diretores montarem seus filmes, é o que se diz: eles se apaixonam pelos atores, pelas imagens.

Se tirasse uma meia hora, teríamos um filme mais próximo de seu público. O que não torna Mendonça um cineasta menos digno de se seguir com atenção.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.