Descrição de chapéu Cinema

Aluno de Olavo de Carvalho se lança no cinema para quebrar 'geleira esquerdista'

'Milagre', divulgado por Eduardo Bolsonaro, parte das lições do escritor

O diretor Mauro Ventura e o escritor Olavo de Carvalho, em registro sem data
O diretor Mauro Ventura e o escritor Olavo de Carvalho, em registro sem data - Reprodução/ Facebook
Guilherme Genestreti
São Paulo

Um navio quebra-gelo conservador numa geleira esquerdista. É como o diretor Mauro Ventura, tomando emprestada a analogia de um amigo, situa a sua produção cinematográfica dentro do panorama nacional.

Para furar essa hegemonia cultural de uma “brasilidade forçada”, como define, o carioca de 46 anos se propõe a revisitar figuras da história do país e a transformar em filme as lições do escritor Olavo de Carvalho, guru do atual governo e o guia que, segundo o diretor, “ordenou as forças” de sua personalidade.

Em abril, Ventura lança nos cinemas o seu terceiro filme, “Milagre”, que chega com as bênçãos do filho caçula do presidente. 

“[É] Um tema grandioso que alguns acham ser apenas questão de tempo para a ciência evoluir e desvendá-los [sic], outros creem serem fatos eternamente sobrenaturais”, tuitou Eduardo Bolsonaro, enumerando as salas onde a obra fará a sua pré-estreia. Em São Paulo, será no Kinoplex Itaim, no próximo dia 2.

Olavo, o mentor, é entrevistado em todos os filmes do diretor —no curta “O Imbecil Coletivo”, baseado no livro homônimo do escritor, em “Bonifácio, o Fundador do Brasil”, que recupera a trajetória do patriarca da Independência do país, e em “Milagre”. 

Isso não deixa de ser um tributo a uma relação de mais de uma década. Vindo do teatro carioca, onde trabalhou como ator, iluminador, operador de som, Ventura diz que “fazia uma revisão da vida” quando decidiu cursar filosofia, já passado dos 30 anos.

Uma busca na internet o levou até uma das videoaulas que o escritor conservador espalhou pela internet.

"Não entendi nada, mas sabia que era o que eu queria. Só fui entender quando me inscrevi no curso online”, conta. O que encontrou foi mais que um curso para formar filósofos, crê. “A intenção é lidar com questões existenciais. Ajudaria muita gente que não tem posse da própria personalidade.”

As lições o afastaram dos amigos de esquerda e ele acabou se vendo sem trabalho.

“Basta dizer algo fora do script ideológico vigente que já dizem que você é de extrema-direita. A real é que depois do Olavo, eu deixei de ter ideias extravagantes”, conta o diretor, cujo perfil numa rede social é lotado de posts pró-Bolsonaro.

Seis anos atrás, Ventura resolveu visitar o mestre, no estado americano da Virgínia, onde mora, já com ideias de fazer um filme que acabou não vingando. 

No ano seguinte, soube que outro dos discípulos tinha a mesma ideia. Era o pernambucano Josias Teófilo. “Eu tinha duas opções: ou o elegia como inimigo ou me juntava a ele.” Optou pela união.

Teófilo é outro que conta a mesma história sobre ter enfrentado boicote dos antigos colegas, progressistas, após virar aluno de Olavo. No seu caso, teria vindo da turma do diretor Kleber Mendonça Filho (“Aquarius”) e do pulsante cinema pernambucano. 

“O Jardim das Aflições”, lançado em 2017, foi o primeiro projeto da dupla. O recifense dirigiu, o carioca fez a assistência. “Ele me ajudou muito na Virgínia. A gente não tinha nem certeza se teria dinheiro para terminar o filme", diz Teófilo. 

 O escritor conservador Olavo de Carvalho e o diretor Josias Teófilo nos bastidores de 'O Jardim das Aflições'
O escritor conservador Olavo de Carvalho e o diretor Josias Teófilo nos bastidores de 'O Jardim das Aflições' - Divulgação

O primeiro longa de Ventura na direção, “Bonifácio”, partiu de uma ideia do guru de fazer um documentário sobre o braço direito de dom Pedro 1º. “A gente carece de identidade nacional. O que substitui é uma brasilidade artificial”, diz Ventura. “Nossa tarefa é trazer à tona heróis sublimados por um tipo de discurso.”

A obra acompanha as ruminações do personagem histórico, interpretado por um ator, enquanto ele vaga pelos aposentos do Museu Nacional, entremeadas por entrevistas com pesquisadores e com dom Bertrand de Orleans e Bragança, príncipe e segundo na linha sucessória de uma eventual monarquia brasileira.

O longa estreou em junho de 2018 e vendeu 3.749 ingressos —20º documentário mais visto do ano, num total de mais de 120.

Como nos anteriores, “Milagre” deve a Olavo a sua existência. O documentário costura entrevistas com físicos como o americano Wolfgang Smith e o brasileiro Raphael de Paola a imagens bucólicas ou solenes de pastos, abóbadas e vitrais de catedrais europeias.

O mote do filme, que terá pré-estreia no próximo dia 2 em São Paulo, é uma longa aula proferida por Olavo e que circula em vídeo na internet. Nela, ele afirma que a ciência, por seus métodos, é incapaz de explicar os milagres. “O fato miraculoso mostra a conexão de causas que não podemos enxergar”, diz o professor. 

O longa arrecadou R$ 96,5 mil por financiamento coletivo, especialidade do diretor. Com o anterior, “Bonifácio”, ele já havia faturado R$ 387 mil —recorde para filme nacional. O dinheiro, diz, veio de 2.800 investidores individuais e de algumas poucas entidades de orientação conservadora como o Movimento Avança Brasil e o Instituto Realitas.

O diretor diz que não que se opõe a financiamento público, como via renúncia fiscal —métodos na mira de Jair Bolsonaro. 

“Não sou contra a Rouanet”, explica. “Sou contra a forma como ela foi usada. Não me interessava entrar num circuito que tem órgãos contaminados por certas preferências ideológicas.”

O mesmo esquema de crowdfunding vai bancar a finalização do quarto filme de Ventura, já filmado, “Brasil, Alma Portuguesa”.

“Tá certo que temos influências de várias culturas”, diz Ventura. “Mas temos uma alma, que forjou  vários aspectos da nossa sociedade e nos forneceu a língua. Queremos acordar esse espírito que está apagado por conta de narrativas que se sobrepõem.”

Ventura diz ter acompanhado pouco os embates entre Olavo e integrantes da gestão Bolsonaro, sobretudo as queixas do escritor quanto a “traidores infiltrados”. 

“Não me surpreende porque nunca vi governo que não tivesse traidores”, diz. “Deve ter sua dose de verdade, Afinal, Olavo tem razão.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.