Chegada de concorrentes ao mercado de streaming ameaça catálogo da Netflix

Serviço de vídeo sob demanda passa a rever forma como investe na produção de obras originais

Nelson de Sá
São Paulo

O presidente da Netflix, em entrevista a este jornal há quase três anos, reclamava da Globo. Diferentemente de Disney, NBCUniversal, WarnerMedia e outros, “eles não licenciam conteúdo para nós”, dizia Reed Hastings.

Com o tempo, os estúdios é que mudaram de postura. Os três citados se preparam para lançar serviços próprios de streaming e começaram a tirar as produções da Netflix. O Disney+ estreia em novembro e vem resgatando desde janeiro muito do que havia de suas marcas, inclusive Marvel, da agora concorrente.

Netflix desintegrando
Jairo Malta

Líder da resistência na Globo, o executivo Alberto Pecegueiro diz que hoje Hollywood admite ter criado um “monstro”. A chegada da Netflix comprando direitos, lembra ele, “parecia um negócio da China, uma receita nova num momento em que os grandes estúdios estavam em xeque com o ocaso do DVD, que representava metade da margem”.

Com a invenção quase acidental do “binge-watching”, encadeando episódios sem pausa, as temporadas iniciais das séries, então esquecidas nos acervos, passaram também a gerar receita.

Agora perdendo conteúdo, a Netflix responde acelerando a produção própria, com sucessos como “Stranger Things”. Mas o novo cenário, tanto para a protagonista como para os novos atores, não aponta um caminho fácil, dizem consultores estrangeiros e brasileiros. 

No caso da Netflix, as preocupações se voltam para o impacto não apenas sobre o catálogo, mas também sobre as suas finanças.

Segundo levantamento da Nielsen, dos dez programas que mais consumiram o tempo do telespectador da plataforma no ano passado nos EUA, oito eram velhas séries. O mais popular de todos no período foi “The Office”, que deixou de ser produzido há seis anos.

Na temporada americana encerrada em julho de 2018, segundo a Nielsen, “The Office”, da NBCUniversal, somou 46 bilhões de minutos assistidos na Netflix, “Friends”, da Warner, chegou a 32 bilhões, e “Stranger Things”, da própria Netflix, a 28 bilhões.

O problema adicional é que a série “original” da Netflix concentrou sua audiência nos meses de outubro, quando foi lançada a segunda temporada, novembro e dezembro. Já as outras duas se distribuíram de maneira equilibrada pelos 12 meses.

O contrato de licenciamento de “The Office”, assinado pela Netflix com a NBCUniversal, vai até o final do ano que vem e não será renovado. Deve ser transferido para o serviço da produtora, agora parte do gigante de telecomunicações Comcast.

A resposta da Netflix foi investir mais em produção própria, inclusive diversificando geograficamente, por exemplo, com um estúdio no Reino Unido que será aberto em outubro.

O problema é que também ela tem limite de gastos. Sua dívida, acrescida de US$ 2 bilhões em abril para as novas inversões, passa agora dos US$ 12 bilhões. Para este ano, sua previsão é de um fluxo de caixa negativo de US$ 3,5 bilhões.

O site The Information noticiou nesta semana que em junho o diretor de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, reuniu seus executivos para uma ordem que até então desconheciam: “Sejam mais cuidadosos com dinheiro”. Cobrou produções que tragam audiência, e não indicação a prêmios. 

Ao menos um consultor ouvido disse que, se a pioneira do streaming começar a ganhar menos assinantes, com a entrada das concorrentes, haveria risco até para a sua viabilidade.

Mas a Netflix também tem trunfos, para encarar o que foi apelidado de “streaming wars”. Um deles é que muitos contratos de licenciamento que assinou, quando os principais estúdios ainda não pensavam em criar serviço próprio, são de longo prazo.

Séries ainda em produção e de grande audiência na Netflix americana, como “Grey’s Anatomy”, da Disney, ou “Supernatural”, da Warner, estão licenciadas para três anos ou mais após o fim da produção.

Em filmes, a Disney teria fechado que aqueles feitos por ela nos últimos três anos, até dezembro de 2018, estarão disponíveis na Netflix a partir de meados da década seguinte —e vetados em seu Disney+.

Um trunfo paralelo, citado por um consultor americano, é que não são todas as produtoras, afinal, que estão retirando suas atrações do serviço.

De todo modo, a Netflix corre contra o tempo e contra o rombo, inclusive no Brasil. Como lembra Pecegueiro, da Globo, os brasileiros ainda têm uma imagem do serviço como barato, mas seu pacote principal já foi para R$ 45,90, contra R$ 19,90 da Globoplay e R$ 14,90 da Amazon.

Também nos EUA a diferença de custo se acentuou —e deve crescer ainda mais, com a chegada de Disney+ e demais. “Uma briga realmente impressionante”, diz o executivo.


Audiência, em minutos *

‘The Office’ (produzida em 2005-2013)
45,8 bilhões, distribuídos pelo ano todo

‘Friends’ (1994-2004)
32 bilhões, distribuídos pelo ano todo

‘Stranger Things’ (2016-)
28 bilhões, concentrados entre outubro e dezembro

* na temporada americana encerrada em julho de 2018

Até quando séries estarão na grade americana da Netflix

‘The Office’, da NBCUniversal
final de 2020

‘Friends’, da Warner
final de 2019

‘Grey’s Anatomy’, da Disney
três anos após encerrar produção

‘Supernatural’, da Warner
três anos após encerrar produção

Fontes: Nielsen, Parrot Analytics, Bloomberg

Mensalidade dos principais serviços de streaming no Brasil

Netflix
R$ 21,90/R$ 45,90

Amazon Prime Video
R$ 14,90

Globoplay
R$ 19,90

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.