Descrição de chapéu
Cinema

Versão infantil do Dr. Doolittle corre o risco de passar batida

Exibido no Brasil somente com cópias dubladas, 'A Pequena Travessa' é bom para crianças bem pequenas

Thales de Menezes

A Pequena Travessa (Liliane Susewind - Ein tierisches Abenteuer)

  • Quando Estreia nesta quinta (11)
  • Elenco Malu Leicher, Aaron Kissiov, Felice Ahrens
  • Produção Alemanha, 2018
  • Direção Joachim Masanneck

Traduzido do alemão, o título do filme seria “Liliane Susewind: Uma Aventura Animal”. No Brasil, batizado com o insosso “A Pequena Travessa”, a produção corre o risco de passar batida nos cinemas. Mas é um bom entretenimento para crianças pequenas.

Bem pequenas, é bom dizer. A história da menina Liliane, cândida, fofa e com o poder de conversar com os animais, é simples, com meninos bacanas, adultos caricatos e uma vilã afogada em clichês. A divisão 
entre bonzinhos e malvados é facilmente reconhecível.

Liliane muda de cidade com o pai, a mãe e o vira-lata Bonsai, seu melhor amigo e confidente —de verdade. Ela conversa com o cachorrinho e com qualquer animal. É a versão infantil do Dr. Doolittle.

São duas as adaptações cinematográficas do Dr. Dolittle. Uma boa, com Rex Harrison, e outra ruim, com Eddie Murphy, que certamente inspiraram “A Pequena Travessa”. Ambas são superproduções, o que não se aplica a esse filme alemão de baixo orçamento, cenários mambembes, animais virtuais criados com pouco cuidado e atores com desempenho de peça infantil sem muito capricho.

No entanto, a história é tão redondinha que funciona. Na nova cidade, Liliane encontrará uma espécie de
zoológico mantido por uma mulher considerada maluca.

Os animais do lugar estão sumindo aos poucos, e os que sobraram pedem auxílio a Liliane. Com uma turma mirim improvisada com seus colegas de escola, munidos de bicicletas como na série “Stranger Things” e no filme “It”, a menina vai tentar descobrir quem está roubando os bichos.

Malu Leicher, encantadora e ruiva, leva o papel principal com segurança. Em relação aos adultos do elenco, ela e as outras crianças na tela têm a vantagem de uma atuação natural. Os atores mais velhos seguem um jeito meio abobalhado de falar e se comportar, numa caricatura desnecessária e muitas vezes irritante.

O diretor Joachim Masanneck, um especialista em produções infantis e juvenis para o cinema e a televisão na Alemanha, deveria ter concentrado mais a ação nas crianças. São as sequências protagonizadas por elas que dão ritmo e leveza ao filme.

“A Pequena Travessa” está sendo exibido no Brasil apenas em cópias dubladas. Decisão acertada. Seu público alvo ainda não sabe ler com destreza.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.