Descrição de chapéu Livros

Livro de RPG se torna o maior financiamento coletivo do Brasil, com R$ 1,9 milhão

'Tormenta' surgiu em 1999, inicialmente encartado na revista Dragão Brasil, especializada nesse segmento

Porto Alegre

Pense na Terra Média, território fictício onde se passa a saga “Senhor dos Anéis”, do escritor J.R.R. Tolkien, ou, para ser mais atual, pense em Westeros, o continente criado por George R. R. Martin, de “Game of Thrones”.

No Brasil existe algo parecido —universo que movimenta uma legião de aficionados por um universo de fantasia nacional, criado há 20 anos, e também milhões de reais. 

“Tormenta” surgiu em 1999, inicialmente como um RPG ("role-playing game" ou jogo de interpretação) encartado na revista Dragão Brasil, especializada nesse segmento. Nesse tipo de jogo, há um mestre ou narrador, que conduz a aventura enquanto os demais interpretam seus personagens.

 

Desde então, expandiu-se para romances, histórias em quadrinhos e até videogame. E, assim como as grandes franquias, “Tormenta” já rende cifras na casa dos sete dígitos. Foram quase R$ 2 milhões arrecadados no financiamento coletivo para o lançamento do “Tomenta20”, edição de capa dura e como novas ilustrações coloridas do livro básico de RPG lançado originalmente em 1999. O título deve sair próximo ano.

Entre maio e julho, leitores doaram R$ 1,9 milhão ao projeto, que bateu o recorde histórico de financiamento coletivo em cultura no país, por meio da plataforma Catarse. A maior colaboração anterior foi com quase metade do valor, em R$ 1 milhão, para a reabertura da exposição Queermuseu, fechada pelo Santander em Porto Alegre após protestos de grupos conservadores, em 2017.

Para 2020, um curta-metragem também será filmado. “É um ambiente medieval, inspirado nas obras clássicas de fantasia, mas com uma pegada diferente, com uma mistura de influências. A gente usa mitologia europeia medieval, mas também mangá japoneses, algumas coisas de lendas brasileiras. É parte da nossa cultura justamente pegar cosias de outros lugares e adaptar, transformar e criar algo completamente novo”, explica Guilherme Dei Svaldi, 36, editor-chefe da Jambô. A editora da capital gaúcha publica todas obras do universo de “Tormenta”.

Diferentemente de produções como o seriado “Stranger Things”, por exemplo, o sucesso do financiamento não se explica pela lógica do apelo à nostalgia, explica J. M. Trevisan, um dos criadores da série, ao lado de Marcelo Cassaro e Rogério Saladino.

“Não existe nostalgia sobre algo que nunca deixou de sair. Lançamos ‘Tormenta’ em 1999, mas são 20 anos com produtos nas prateleiras, nunca paramos de publicar. É mais uma celebração da galera que sempre esteve aí”, explica.

Quem começou jogando o RPG aos 15 anos, por exemplo, agora chegou aos 30 e poucos podendo consumir outros títulos. Um dos mais recentes é o romance “A Deusa no labirinto”, de Karen Sorele, escritora oficial do universo de Tormenta. O livro foi lançado pela Jambô na última Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, evento que teve obras apreendidas por funcionários da prefeitura por ordem de Marcelo Crivella (PRB).

A revista Dragão Brasil, que originou o RPG, é publicada mensalmente desde 2016 no sistema de financiamento recorrente —nessa modalidade, o título também bateu recorde. São cerca de R$ 22 mil mensais arrecadados todo mês. Na prática, os financiadores são assinantes da revista, publicada mensalmente no formato digital, com contos, colunas, suplementos para os jogos e conteúdos sobre RPG.

A diversão do jogo está justamente no uso da criatividade, explica Svaldi. No caso de “Tormenta”, isso é ampliado pela característica do RPG brasileiro: mistura influências. 

“Existe um reino em que os guerreiros vivem em estâncias que lembram os gaúchos da época da Revolução Farroupilha. Tem uma grande metrópole com uma área mais pobre, quase como uma favela. É parte da graça. Pode ter um samurai ao lado de um pistoleiro americano”, diz.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.