Descrição de chapéu
Cinema

'Quo Vadis, Aida?', no Oscar, não é só denúncia de um massacre terrível

Longa bósnio indicado a melhor filme internacional se beneficia de protagonista que é mais do que uma vítima

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Quo Vadis, Aida?

  • Quando Estreia nesta terça (20)
  • Onde Aluguel e compra no Now, Vivo Play, Sky Play, iTunes, Apple TV, Google Play e YouTube
  • Elenco Jasna Djuricic, Izudin, Bajrovic, Johan Heldenbergh, Emir Hadzihafizbegovic
  • Produção Bósnia e Herzegovina, Áustria, Romênia, Holanda, Alemanha, Polônia, França, Noruega e Turquia, 2020
  • Direção Jasmila Zbanic

O sofrimento e a aniquilação de civis em guerras é um tema pelo qual o cinema sempre se interessou, um motivo pronto para saciar plateias em busca de emoções intensas. Do Holocausto até conflitos menos midiatizados, a vítima desarmada oferece as condições infalíveis para despertar empatia.

“Quo Vadis, Aida?”, concorrente da Bósnia e Herzegovina ao Oscar de filme internacional, trata disso, mas tem também ingredientes que o elevam acima do gênero —uma história real de genocídio contra uma minoria étnica, uma protagonista “gente como a gente” e agressores que até pouco antes eram vizinhos, alunos, colegas.

A ocupação de Srebrenica pelo Exército sérvio em 1995 e o assassinato de mais de 8.000 homens da minoria muçulmana da cidade, supostamente protegida por forças da ONU, a Organização das Nações Unidas, compõem o quadro factual.

Mas a diretora e roteirista bósnia Jasmila Zbanic não faz um filme limitado a denunciar um massacre, aliás conhecido.

Sua vantagem é conduzir o drama do ponto de vista de Aida, uma professora que trabalha como intérprete e intermedeia as comunicações entre os militares holandeses da ONU e a população local.

Aida não é, portanto, somente uma vítima. Ela é protagonista, tem voz, faz escolhas, interfere e não tem nada de passiva, em contraste com a maioria dos personagens, que, acuados, obedecem ou seguem ordens.

Na primeira cena, vemos Aida traduzir uma conversa ríspida entre o prefeito bósnio de Srebrenica e um coronel holandês. Ela busca ser fiel às palavras, se esforça para amenizar a agressividade e, ao mesmo tempo, está comprometida, enquanto cidadã, na grave situação.

Essa sobreposição da ação profissional, objetiva, com a reação pessoal, subjetiva, dá ao filme uma tensão crescente e complexifica suas emoções.

Quando seu marido e os filhos são retidos fora do campo onde parte da população perseguida encontra proteção, suas ações revelam a cisão entre escolhas individuais e consciência coletiva.

No duríssimo epílogo, o filme preserva suas ambiguidades, evitando idealizar a solução do conflito e amenizar a tragédia com a tinta falsa do perdão.

Ali, fica claro o domínio da diretora. Ao optar pelo comedimento, equilibrando identificação e distância, “Quo Vadis, Aida?” provoca um impacto político mais intenso e duradouro do que pode o efeito patético.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.