Descrição de chapéu Cinema Globo de Ouro

Membros do Globo de Ouro dizem que prêmio é tóxico e prometem criar concorrente

Renúncia de dupla de associados acontece em meio a denúncias de corrupção e boicotes à entidade que organiza a láurea

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Dois membros do grupo responsável pelo Globo de Ouro —a HFPA, sigla da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood— renunciaram aos cargos, criticaram a equipe e prometeram criar uma associação concorrente. O anúncio foi feito nesta quinta (17) e divulgado pelo jornal americano Los Angeles Times.

Em carta enviado à liderança da HFPA, os então membros Diederik van Hoogstraten, da Holanda, e Wenting Xu, da China, definiram a organização do prêmio como tóxica.

"Nós acreditamos num espaço acolhedor, saudável e respeitoso, onde o trabalho de jornalistas possa se desenvolver e prosperar. Esse lugar não é na HFPA", afirma a dupla.

"Depois de sairmos, planejamos construir um ambiente transparente, profissional e com uma organização inclusiva para as gerações atuais e futuras de repórteres que simplesmente querem trabalhar juntos, sem toxicidade."

A renúncia da dupla acontece em meio a uma série de polêmicas envolvendo o Globo de Ouro e alguns de seus vencedores da última edição. O prêmio tem sido alvo de boicotes e denúncias de corrupção.

"Na primavera, havia uma janela para abrir e provar que entendemos como a HFPA poderia aprender com seus erros, como poderíamos sair mais saudáveis ​​com reformas e transparências", afirma a carta assinada por Hoogstraten e Xu. "Essa janela está fechando e Hollywood está seguindo em frente."

Desde uma investigação do LA Times, publicada em fevereiro, o Globo de Ouro tem se tornado um grande alvo de denúncias e críticas. A reportagem revelou que não havia, até então, nenhum negro entre os membros da associação, o que fez o grupo receber acusações de racismo.

Além disso, comitês do prêmio são acusados de fazerem parte de um esquema de troca de favores, no qual eleitores aceitam dinheiro, viagens e presentes em troca de indicações no Globo de Ouro. A HFPA, no entanto, nega a acusação de corrupção.

Desde fevereiro, segundo Hoogstraten e Xu, "as tomadas de decisão [da HFPA] têm ocorrido 'de portas fechadas'".

No início de maio, o grupo anunciou a aprovação da inclusão de 20 novos membros, o aumento do recrutamento de jornalistas negros na equipe e a contratação de um diretor de diversidade.

Entendemos que o trabalho duro começa agora", disse Ali Sar, presidente da HFPA, na época. "Continuamos dedicados a nos tornarmos uma organização melhor e um exemplo de diversidade, transparência e responsabilidade no setor."

No entanto, as medidas não agradaram boa parte do setor do cinema e da TV de Hollywood, o que ficou evidente na onda de críticas feitas ao prêmio no mesmo dia.

A emissora americana NBC, por exemplo, não transmitiu a cerimônia deste ano, rompendo o contrato com a organização. Além disso, Netflix e Amazon também pularam do barco, capitaneando uma onda de boicotes à premiação.

Os dois membros que renunciaram a HFPA criticam as mudanças propostas e afirmam que a liderança do grupo descartou sugestões de implementar candidaturas novas e retirar antigos profissionais [da assossiação].

“Ainda há uma significativaresistência em ter um grupo diversificado e de novos membros. O novo estatuto proposto não contém orientações claras para identificar e admitir jornalistas qualificados em breve", diz a dupla.

Ainda segundo a carta, "segregação, silêncio, medo de retaliação, autocensura, corrupção e abuso verbal" são apenas alguns hábitos existentes na HFPA.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.