Erro no sistema de banco público prejudica 4,9 mil pequenos agricultores

Falha afetou agricultores do semiárido e gerou dívida média de R$ 892 para cada

Homem passa por casa de barro dirigindo carroça puxada por boi
Casa de farinha em Teixeira, na Paraíba - Na Lata - 1º.nov,2012/Folhapress
Daniel Camargos
São Paulo

Um erro do Banco do Nordeste prejudicou 4.982 clientes do grupo B do Pronaf (Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

Eles estão sendo cobrados por um benefício concedido indevidamente em 2013.

O erro atingiu agricultores familiares do semiárido e gerou uma dívida média de R$ 892 para cada.

Pelas regras do Pronaf B, os agricultores têm direito a um benefício até atingirem um valor considerado teto.

O superintendente de Microfinanças e Agricultura Familiar da instituição, Alex Araújo, diz que em 2013 esse teto era de R$ 12 mil.

O sistema do banco, contudo, concedeu o benefício (um desconto no valor a ser amortizado) para 4.982 agricultores que já haviam ultrapassado o teto.

O erro gerou o repasse indevido de cerca de R$ 4,4 milhões.

"Quando a revisão sistemática do banco verificou o erro, tivemos de fazer a correção da parcela do bônus indevido", diz Araújo.

O banco até agora conseguiu receber de 1,1 mil agricultores, o que corresponde a cerca de R$ 980 mil.

Muitos agricultores, segundo o superintendente, se recusam a pagar ou estão procurando meios legais para não pagarem.

"É um público carente e que tem dificuldade de acesso à informação", diz Araújo.

O banco, segundo o superintendente, não está colocando as vítimas do erro como devedores. "Não é cadastro negativo", explica.

Outra atitude que a instituição está tomando é instruir os funcionários que vão às propriedades rurais para explicarem os motivos do erro. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.