Exército e PM fazem ações para entrega de combustível pelo país

Ações ocorrem em Manaus, Belém, Paulínia (SP) e Rio de Janeiro

O Gabinete de Gestão da Crise (GGC) determinou que a Polícia Militar (PM) faça a escolta de cinco caminhões-tanques para abastecer o BRT no Rio - Folhapress
Natália Portinari
São Paulo

A ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) informou, neste sábado (26), que está acompanhando ações para entrega de combustíveis em pontos estratégicos no país.

A distribuição está comprometida pela paralisação dos caminhoneiros, que seguem com cerca de 500 bloqueios em rodovias federais.

No Rio de Janeiro, em Duque de Caxias, a ação foi realizada por policiais militares na refinaria Reduc, para restabelecer o serviço de BRT.

"Em Belém e em Manaus, ANP e Procon estão nas ruas e postos estão sendo reabastecidos desde a madrugada", diz a nota da ANP.​

Em Mataripe (BA), o governo do Estado autorizou a PM a fazer comboios para escoltar caminhões. Um dos comboios deve ir para o aeroporto, e outro para as empresas de ônibus de Salvador. Uma terceira escolta deve sair em breve para atender veículos da polícia e da área de saúde.

​Viracopos

Tropas do Exército escoltaram sete caminhões-tanque que estavam vazios no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), para abastecimento na Refinaria de Paulínia (Replan), no interior de São Paulo.

Os caminhões, que estavam vazios no aeroporto, chegaram à Replan no início da tarde deste sábado (26) e voltaram ao aeroporto às 18h. 

Segundo o Exército, a operação e o trajeto até Campinas foram tranquilos. 

Será feito um planejamento de idas e vindas desses caminhões de Viracopos à refinaria para manter o fluxo de abastecimento do aeroporto, que tem autonomia para operar até as 21h.

Distribuidoras

A associação que representa as distribuidoras, a Plural, afirma que ações semelhantes foram executadas em Brasília, Viracopos, Fortaleza, Porto Alegre e Congonhas.

Em Belém, já há um "ambiente adequado" de distribuição, diz a entidade.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.