EUA começam a aplicar tarifas sobre bens chineses

Expectativa é que Pequim responda com tarifas de importação de 5% ou 10% sobre produtos americanos

Washington | AFP

O governo americano começou a aplicar tarifas de 10% sobre novos bens importados da China por US$ 200 bilhões (R$ 814 bilhões), em mais um passo na guerra comercial entre ambas as potências que ameaça o crescimento econômico mundial.

As tarifas entraram em vigor no primeiro minuto desta segunda-feira (1h01, no horário de Brasília). A expectativa é que Pequim responda quase imediatamente, com tarifas de importação de 5% ou 10% sobre produtos americanos, por US$ 60 bilhões (R$ 244 bilhões).

A troca de tarifas punitivas entre as maiores economias do mundo começou em julho, quando foram impostas, reciprocamente, tarifas de 25% a mercadorias, na ordem de US$ 50 bilhões (R$ 203,5 bilhões).

Nesse contexto, a China acusou os Estados Unidos, nesta segunda, de lançarem falsas acusações sobre comércio para intimidar outros países, enquanto se intensifica a briga pelas tarifas entre os dois gigantes mundiais.

Os Estados Unidos fizeram uma série de acusações falsas e usam o aumento das tarifas e outros meios de intimidação econômica, para tentarem impor seus próprios interesses na China pela via de uma pressão extrema, diz o governo chinês em um documento sobre as tensões econômicas e o comércio com Washington.

O informe acusa o presidente americano, Donald Trump, de minar anos de esforços para aproximar os dois países.

"Desde que o novo governo americano assumiu suas funções em janeiro de 2017, sob o lema 'America First', renunciou aos princípios fundamentais das trocas comerciais, como o respeito mútuo e as consultas com base na igualdade, para adotar o unilateralismo, protecionismo e a hegemonia econômica", aponta o documento.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.