Descrição de chapéu The New York Times

Facebook rompe com consultoria paga para minimizar críticas à rede social

Parceria foi encerrada após publicação de reportagem sobre trabalho da empresa de consultoria

O Facebook encerrou seu relacionamento com a consultoria Definers Public Affairs, de Washington, que espalhou informações depreciativas sobre críticos e concorrentes da rede social, disse uma pessoa informada sobre o assunto.

A decisão foi posteriormente confirmada por Mark Zuckerberg, presidente-executivo da rede social, em entrevista a jornalistas.

O movimento acontece depois que um artigo do The New York Times publicado na quarta-feira (14) descreveu o trabalho da Definers em benefício do Facebook.

Entre outras coisas, a empresa trabalhou para desacreditar ativistas que protestavam contra o Facebook, em parte aos vinculá-los ao financista George Soros, que defende ideias políticas progressistas. A companhia também trabalhou para minimizar críticas à rede social, pressionando repórteres para que dirigissem sua atenção a concorrentes como o Google.

Na noite de quarta, o Facebook decidiu encerrar seu relacionamento com a Definers, por causa dos protestos que surgiram com a publicação do artigo do jornal, disse a pessoa informada sobre a decisão, que não tinha autorização para comentar o ocorrido publicamente.

Importantes executivos do Facebook, entre os quais Mark Zuckerberg e Sheryl Sandberg, não estavam cientes do trabalho específico que a Definers fazia, disse a pessoa.

Símbolo do Facebook em tela quebrada
Facebook encerra parceria com a consultoria Definers Public Affairs - Joel Saget/AFP

O Facebook declarou em comunicado que não havia ocultado seus elos com a Definers e contestou que tivesse solicitado que a empresa difundisse informações falsas.

"É errado apontar que tenhamos solicitado que a Definers pagasse por ou escrevesse artigos em benefício do Facebook, ou comunicasse qualquer inverdade", afirmou uma porta-voz do Facebook no comunicado.

"O relacionamento entre a empresa e o Facebook era bem conhecido da mídia –não menos porque ela em diversas ocasiões encaminhou convites a centenas de jornalistas para eventos de imprensa em nosso nome", acrescentou a porta-voz.

A Definers foi criada por veteranos de campanhas presidenciais do Partido Republicano e se especializou em aplicar táticas de campanhas políticas às relações públicas empresariais. No ano passado, Tim Miller, executivo da Definers e antigo porta-voz de Jeb Bush, criou uma unidade da empresa no Vale do Silício.

Ele disse em uma entrevista que, à medida que as empresas de tecnologia amadurecem, um de seus objetivos deveria ser "ver divulgado conteúdo positivo a respeito da empresa e conteúdo negativo a respeito do concorrente".

O Facebook contratou a Definers inicialmente para monitorar notícias sobre a rede social. O relacionamento entre as duas empresas foi expandido em outubro de 2017, quando o escrutínio com relação ao Facebook estava crescendo devido ao uso da mídia social por agentes russos a fim de semear a discórdia antes da eleição presidencial de 2016.

O The New York Times noticiou na quarta-feira que, alguns meses atrás, um site conservador chamado NTK Network começou a publicar reportagens defendendo o Facebook e criticando rivais da empresa como o Google. A NTK é uma subsidiária da Definers.

Além disso, a Definers divulgou documentos de pesquisa que tratavam Soros, um bilionário que apoia causas políticas progressistas, como a força não identificada por trás do que parecia ser um forte movimento contra o Facebook. A Definers insistiu junto a jornalistas para que estes verificassem as conexões financeiras entre Soros e organizações que criticavam o Facebook, entre as quais uma organização progressista fundada pelo filho dele e a Color of Change, uma organização online que luta pela justiça racial.

Um dirigente da Open Society Foundations, organização ligada a Soros, disse que ela não doou verbas para campanhas contra o Facebook.

Em comunicado, um porta-voz da Definers disse que a companhia tem orgulho da parceria com o Facebook nos últimos 12 meses. "Todo o nosso trabalho se baseia em documentos e informações publicamente acessíveis."

Ele acrescentou que o documento citado na reportagem do Times sobre as possíveis fontes de verbas da organização anti-Facebook era inteiramente factual e baseado em registros públicos.

Miller declarou na noite de quarta-feira que estava magoado com as acusações de que o trabalho da Definers quanto a Soros era antissemita. "A ascensão do antissemitismo me repugna, e sempre lutei contra a direita alternativa e outros que espalham mentiras, ódio racista e continuarei a fazê-lo", ele afirmou.

Depois da publicação do artigo do The New York Times, outras organizações começaram a reavaliar seu relacionamento com a Definers. Uma delas é a Crooked Media, que opera o popular podcast político "Pod Save America". Miller é colaborador frequente do podcast.

"Precisamos descobrir a verdade sobre o envolvimento de Tim nesse trabalho, e enquanto isso ele não colaborará com a Crooked", informaram Jon Favreau, Jon Lovett e Tommy Vietor, três dos apresentadores do podcast, em post no Twitter quarta-feira.
 
Tradução de PAULO MIGLIACCI

The New York Times
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.