Avanço do desemprego surpreende especialistas

Além dos 13 milhões de desempregados, quase 15 milhões estão disponíveis para trabalhar, mas não conseguem sair para procurar emprego

Flavia Lima Arthur Cagliari
São Paulo

A taxa de desemprego no Brasil chegou a 12,4% nos três meses até fevereiro, percentual acima dos 11,6% registrados no trimestre até novembro, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (29). 

Economistas ouvidos pela agência Bloomberg previam a taxa de desemprego em 12,5%.

Ainda que o desemprego costume subir no início do ano —daí as projeções em linha com o número observado—, a reação muito lenta do mercado de trabalho preocupa especialistas. 

No período, 892 mil pessoas passaram à condição de desempregados. É como se uma cidade do tamanho de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, tivesse perdido o emprego. No total, 13,1 milhões de trabalhadores estão nessa situação no país. 

O coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, disse que metade da perda ocorreu no setor privado e a outra parte no público.

No privado, afirmou ele, a queda veio da indústria e da construção, setores cuja demora em mostrar recuperação surpreende até os mais pessimistas. No público, o recuo veio principalmente de atividades voltadas para a educação.

Azeredo ressaltou que a alta do desemprego já é algo esperado para o início do ano. "O início do ano é marcado pela dispensa mesmo. Como o mercado se encontra numa situação desfavorável, isso tende a se potencializar, com baixa retenção de trabalhadores temporários e baixa efetivação."

A situação, no entanto, é considerada preocupante e ainda mais grave porque há outros 14,8 milhões de pessoas que trabalham menos de 40 horas semanais, estão disponíveis para trabalhar, mas não conseguem sair para procurar trabalho.

Somado aos desempregados, esse grupo reúne os chamados subutilizados, que somam um contingente de 27,9 milhões de pessoas —um novo recorde na série iniciada em 2012.

Só os desalentados, grupo que reúne aqueles que desistiram de procurar emprego, são 4,9 milhões de brasileiros --outro recorde.

"A pessoa vê toda hora na televisão notícias sobre crise política, crise econômica, desemprego aumentando. Ela acaba se colocando na situação de não procurar trabalho porque acha que não vai conseguir. Até porque isso tem um custo, de transporte, impressão de currículo", disse Azeredo.

O número de trabalhadores no setor privado com carteira assinada permaneceu estável, enquanto o de empregados sem carteira assinada caiu 4,8%, na comparação com o trimestre anterior, o equivalente a uma redução de 561 mil pessoas nesse grupo.

Marcelo Gazzano, economista da consultoria AC Pastore, diz que, mesmo diante do ligeiro aumento da população ocupada em fevereiro, de 0,1% em relação ao mês anterior, os números ainda indicam um processo bem lento de recuperação do mercado de trabalho.

"Não vi nada de novo, que possa alterar esse cenário. Segue o jogo", diz o economista. 

Thiago Xavier, economista da Tendências, diz que a retomada econômica faz com que o mercado de trabalho também reaja muito lentamente e esse quadro se mantém num prazo mais longo, o que é preocupante, diz ele, em especial porque a retomada da economia deve ocorrer puxada pelo consumo das famílias. 

Para a equipe da Rosenberg Associados, a recuperação do mercado de trabalho parece estar perdendo tração, movimento que deverá ser monitorado atentamente pelo Banco Central em suas próximas reuniões. "Caso a evolução do mercado de trabalho não se intensifique, novos cortes de juros poderão ser requeridos a fim de garantir a convergência da inflação para a meta em 2019 e 2020."

A Rosenberg espera taxa de desemprego de 11,8% em 2019, o que está longe de uma melhora significativa.

Para alguns economistas, os dados de desemprego divulgados pelo IBGE na sexta-feira (29) foram menos ruins do que aparentam, a despeito do número ainda alarmante de 13 milhões de pessoas desempregadas. 

Cosmo Donato, economista da LCA Consultores, ressalta que, retirando os efeitos típicos do início do ano, quando o desemprego costuma subir, o desemprego apresentou, na verdade, leve queda. 

Nesse tipo de contabilização, diz Donato, a taxa de desemprego caiu para 12,2% em fevereiro de 2019 em comparação aos 12,3% registrados em janeiro --a primeira queda marginal após quatro elevações consecutivas. 

Também desconsiderando os efeitos sazonais, o emprego no setor privado com carteira assinada subiu 0,6%. "Foi o primeiro mês contundente de recuperação do emprego formal", diz ele. 

Para Donato, a reação do emprego privado formal (na conta que retira os efeitos típicos do período) é uma indicação de que os números da pesquisa do IBGE estão mais próximos do levantamento do Caged, dados de emprego formal do Ministério do Trabalho que registraram forte reação. 

Outro aspecto que parece positivo, diz Thiago Xavier, economista da Tendências, é que a geração de vagas vinha perdendo intensidade desde outubro do ano passado, o que mudou em fevereiro. 

Segundo Xavier, em outubro a população ocupada crescia 1,5% em relação a igual período do ano anterior, algo que caiu para +1,3% em novembro, +1% em dezembro e +0,9% em janeiro. Em fevereiro, a ocupação cresceu 1,1% na comparação anual. "É esperar para ver se a tendência se confirma", diz Xavier. 

Xavier chama a atenção, porém, para o fato de a renda continuar crescendo num ritmo considerado lento (abaixo de 1%).

Os reajustes salariais puxam o consumo das famílias, que, por sua vez, respondem por quase 70% do PIB [Produto Interno Bruto]", diz.

Para o Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), preocupa, entre outros pontos, o fato de que o número de desocupados tenha praticamente parado de cair na comparação feita entre os trimestres findos em janeiro e fevereiro de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.