Bolsa não tem força para fechar acima de 100 mil pontos pelo segundo dia

Dólar termina perto da estabilidade, a R$ 3,79

Tássia Kastner
São Paulo

Pelo segundo dia, a Bolsa brasileira testou a marca histórica de 100 mil pontos durante o pregão. E pelo segundo dia, o mercado não sustentou o ganho, afetado pela piora no cenário externo. O dólar fechou perto da estabilidade.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, perdeu 0,40% e encerrou o dia a 99.588 pontos. Na máxima, registrou 100.438 pontos. O giro financeiro foi de R$ 17,7 bilhões.

A pressão de baixa veio dos papéis do setor bancário, com forte peso no índice, enquanto Petrobras e Vale limitaram as perdas. 

De pano de fundo, o mercado aguarda para esta quarta-feira (20) o envio da proposta de reforma da Previdência dos militares. Durante a manhã, o general Hamilton Mourão, no posto de presidente interino enquanto Jair Bolsonaro viaja, afirmou que o projeto deveria trazer economia de R$ 13 bilhões.

Ele voltou atrás ao final do dia, mas se recusou a falar em outro valor.

Analistas citaram ainda como motivos para a baixa desta terça a expectativa pela reunião do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos), que decide nesta quarta a nova taxa de juros americana.

O Banco Central brasileiro toma a mesma decisão nesta quarta, com expectativa de manutenção da Selic nos atuais 6,50%.

No exterior, as Bolsas americanas fecharam perto da estabilidade.

O dólar cedeu 0,05%, a R$ 3,79, segundo a tendência do exterior, que foi de valorização de divisas emergentes.

Com Reuters

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.