Entidades ambientais protestam contra exploração de blocos de petróleo em Abrolhos

De acordo com os ambientalistas, autorização do Ibama foi feita à revelia da área técnica do instituto

Rio de Janeiro

Entidades de proteção ambiental protestaram nesta quarta (10) contra a licitação de blocos para a exploração e produção de petróleo na região de Abrolhos, na Bahia. O parque marinho é conhecido pela sua biodiversidade.

Os blocos estão listados para o primeiro leilão do governo Jair Bolsonaro (PSL), que oferecerá ao mercado 36 blocos em cinco bacias: Camamu Almeida, Campos, Jacuípe, Pernambuco-Paraíba e Santos.

Destes, sete blocos localizados em Jacuípe e Camamu Almeida estariam em uma região de risco ambiental. Em conjunto, os blocos têm arrecadação mínima estimada em R$ 3,2 bilhões.

Ilha Santa Bárbara, no arquipélago dos Abrolhos
Arquipélago dos Abrolhos, na Bahia - Carolina Muniz/Folhapress

Ativistas das 350.org, Coesus e Instituto Internacional Arayara compareceram à audiência pública da Agência Nacional do Petróleo e Gás (ANP) para debater a rodada de licitações.

De acordo com os ambientalistas, a autorização do Ibama que incluiu os blocos na rodada de licitação foi feita à revelia da área técnica do instituto.

“O Ibama foi contrariado. Foi uma decisão puramente política, e não técnica”, disse Renan Andrade, gestor ambiental do Instituto Arayara. 

Artur Watt Neto, subprocurador geral de exploração e produção da ANP, afirmou que a agência levou em conta apenas o parecer final emitido pelo órgão.

“A ANP é separada do Ibama. Levamos em consideração a manifestação do órgão como um todo, não considerando debates internos”, disse.

Ele ainda ressaltou que a autorização do Ibama para incluir os blocos na licitação não é considerada uma licença prévia. 

“As atividades de exploração e produção são precedidas por um processo de licenciamento ambiental, que serão feitos”, afirmou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.