Descrição de chapéu China

China destrona os EUA e se torna principal parceiro comercial da União Europeia

Com rápida recuperação econômica, chineses ganham em exportações de equipamentos médicos, eletrônicos e produtos de luxo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Bruxelas | AFP

A China se tornou o pricipal parceiro comercial da União Europeia (UE) pela primeira vez em 2020, ultrapassando os Estados Unidos, graças à rápida recuperação de sua economia menos afetada pela pandemia de Covid-19 do que a de seus parceiros ocidentais.

No ano passado, o comércio da UE com a China totalizou US$ 586 bilhões (somando exportações e importações), ante US$ 555 bilhões dos Estados Unidos, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (15) pelo instituto europeu de estatísticas.

"Durante o ano de 2020, a China foi o principal parceiro comercial da UE", disse o Eurostat em comunicado.

As bandeiras de China, à esq., e União Europeia durante reunião em Bruxelas
As bandeiras de China, à esq., e União Europeia durante reunião em Bruxelas - Thierry Charlier - 29.jun.15/AFP

Se a UE já era o principal parceiro comercial da China desde 2004 –na época ultrapassou o Japão–, é a primeira vez que o inverso é verdadeiro, ou seja, a China destrona os Estados Unidos vis-à-vis a Europa.

Segundo o Eurostat, este resultado deve-se ao aumento das importações europeias da China (crescimento de 5,6% em 2020 com relação a 2019) e das exportações europeias para a China (2,2%).

Ao mesmo tempo, o comércio com os Estados Unidos registrou queda significativa tanto nas importações (13,2%) quanto nas exportações (8,2%).

Depois de sofrer com a epidemia da Covid-19 durante o primeiro trimestre, a economia chinesa se recuperou vigorosamente e o consumo superou no final do ano seu nível de um ano atrás, impulsionando as vendas europeias, em particular de automóveis e produtos de luxo.

As exportações da China para a Europa se beneficiaram de uma forte demanda por equipamentos médicos e produtos eletrônicos.

Neste contexto, a UE viu seu déficit comercial aumentar com a China. Ele passou de 164,7 bilhões de euros em 2019 para 181 bilhões no ano passado. Ao mesmo tempo, o superávit com os Estados Unidos manteve-se estável em torno de 151 bilhões de euros.

O Reino Unido, que deixou de fazer parte da União Europeia, é agora o seu terceiro maior parceiro comercial, atrás da China e dos Estados Unidos.

No entanto, as exportações europeias para aquele país caíram 13,2% no ano passado e as importações, 13,9%.

No total, a União Europeia registou em 2020 um superávit comercial em forte crescimento em relação ao resto do mundo, para 217,3 bilhões de euros, contra 191,5 bilhões em 2019.

O número é ainda mais elevado para os 19 países da zona do euro: superávit de 234,5 bilhões de euros no ano passado, contra 221 bilhões no ano anterior.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.