Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/09/2012 - 10h27

Israel não aceitará modificações no tratado de paz com o Egito

Publicidade

DA EFE

O ministro de Relações Exteriores israelense, Avigdor Lieberman, afirmou neste domingo que seu país não aceitará modificações no tratado de paz com o Egito, em meio à crescente insegurança na fronteira entre os dois Estados.

"Não existe a opção de que Israel aceite nenhuma mudança de anexo dos Acordos de Paz de Camp David e o Egito não deve ser levado a esse engano", disse Lieberman em uma entrevista à rádio pública israelense.

O presidente egípcio, Mohammed Mursi, e a Irmandade Muçulmana pediram em numerosas ocasiões que se efetuem mudanças no dito tratado a fim de permitir o desdobramento de um maior número de tropas egípcias na Península do Sinai para controlar os grupos jihadistas ativos na região.

Funcionários israelenses citados pela imprensa manifestaram em anonimato sua preocupação pelo aumento da presença militar das forças egípcias no Sinai, território sujeito a restrições em virtude do tratado de paz assinado por Egito e Israel em 1979.

O chefe da diplomacia israelense acrescentou que Israel não tem problemas com as forças egípcias desdobradas na península, mas com os terroristas que operam ali.

Após um atentado lançado por grupos islamitas no último dia 5 de agosto, que matou 16 soldados egípcios e no qual morreram os terroristas, o Egito sugeriu que devia aumentar sua presença militar no Sinai, a fim de lutar contra esse fenômeno.

Esse ataque foi o pior registrado na área desde que Egito e Israel se enfrentaram na guerra de 1973 e evidenciou a instabilidade na fronteira, aproveitada por grupos radicais islamitas para atacar o território israelense.

O último ataque aconteceu na sexta-feira passada, no qual morreu um soldado israelense e outro ficou ferido em um tiroteio contra milicianos. Três dos agressores morreram nos enfrentamentos com as tropas israelenses.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página