Kim Jong-un encontra-se com presidente sul-coreano para acordo de paz

Líderes das duas Coreias conversaram sobre diplomacia e encontro com EUA

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, à dir., cumprimenta o ditador norte-coreano Kim Jong-un, antes da reunião na zona desmilitarizada
O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, à dir., cumprimenta o ditador norte-coreano Kim Jong-un, antes da reunião na zona desmilitarizada - Dong-A Ilbo/AFP
 
Seul | Reuters e Associated Press

O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, se encontraram pela segunda vez em um mês neste sábado (26), em um encontro surpresa na Zona Desmilitarizada entre os dois países. 

Eles discutiram a possível reunião de Kim com o presidente norte-americano Donald Trump, segundo a presidência sul-coreana. A irmã de Kim, Kim Yo-jong, estava presente ao encontro, ao final do qual os líderes se abraçaram.

Kim e Moon se encontraram depois de uma semana de idas e vindas entre Coreia do Norte e Estados Unidos –na quinta-feira (24), Trump disse que o encontro com Kim estava cancelado, mas na sexta-feira o americano afirmou que estava conversando com a Coreia do Norte e que a reunião poderia ser remarcada.

A conversa de última hora entre Kim e Moon pode ser um indício da vontade do norte-coreano de salvar o encontro com Trump, que pode ser uma chance valiosa de aliviar as pesadas sanções econômicas sobre a Coreia do Norte e garantir a segurança do país, segundo analistas.

Não está claro, porém, se Kim concordaria com a principal exigência dos EUA, que é que ele abandone completamente seu arsenal nuclear. O sul-coreano Moon tem insistido que é possível convencer o ditador a desistir de seus locais de testes nucleares, materiais e ogivas em troca de garantias de segurança críveis e de alívio econômico.

O sul-coreano, que foi o mediador das conversas entre Estados Unidos e Coreia do Norte até agora, provavelmente usou o encontro deste sábado para confirmar a predisposição de Kim de negociar questões nucleares e deixar mais claro quais passos Kim está disposto a dar na desnuclearização, segundo Hong Min, analista sênior do Instituto Coreano para Unificação Nacional em Seul.

Moon disse à agência de notícias sul-coreana Yonhap que espera que o encontro entre Kim e Trump aconteça.

A agência também afirmou que o ditador norte-coreano teria afirmado que sua confiança no presidente sul-coreano aumentou após a reunião deste sábado. 

Já a agência de notícias da Coreia do Norte, a KCNA, afirmou que os dois atingiram um "consenso satisfatório" no encontro. Disse ainda que uma nova reunião foi marcada para 1º de junho entre importantes autoridades dos dois países —não está claro se Kim e Moon vão participar.  

SINGAPURA

Autoridades dos EUA querem um compromisso da Coreia do Norte pelo qual o país elimina seu arsenal nuclear e depois recebe recompensas, mas Kim, depois de duas conversas com o presidente chinês Xi Jinping, quer um processo em várias fases em que suas ações sejam seguidas por passos recíprocos dos EUA.

Trump tuitou neste sábado que, se o encontro com Kim ocorrer, provavelmente será mesmo no dia 12 de junho em Singapura, conforme o plano original.

A reaproximação entre EUA e Coreia do Norte se deu depois de Trump e Kim terem trocado insultos durante o ano de 2017, em que o ditador também fez testes de armas nucleares e de mísseis. Já neste ano, Kim se encontrou no final de abril com Moon e também já se reuniu duas vezes com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

 
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.