Furacão Lane atinge Havaí com chuvas, enchentes e deslizamentos

Ventos chegam a 209 km/h, e governador pede que moradores se preparem para o pior

Honolulu | Reuters

Com ventos que chegaram a 209 km/h e chuvas torrenciais, o furacão Lane atingiu o estado americano do Havaí nesta quinta-feira (23), provocando inundações, deslizamentos e uma pesada ressaca.

Com o Lane ainda se movendo no oceano Pacífico, a cerca de 320 quilômetros ao sul de Kailua-Kona, mais de 30 centímetros de chuva já caíram sobre o lado oriental da ilha Havaí, a maior do arquipélago, disse a porta-voz da agência de defesa civil do condado do Havaí, Kelly Wooten.

Não houve relatos imediatos de feridos, mas ao menos 14 estradas foram fechadas por conta de enchentes e deslizamentos, disse Wooten.

Se movendo em direção noroeste a 11 km/h, o furacão foi classificado como uma poderosa tempestade de categoria 4 em uma escala que vai até 5.

As previsões mais recentes mostravam o olho da tempestade passando a oeste das ilhas nesta sexta-feira (24) antes de voltar ao mar, mas meteorologistas alertam que o Havaí ainda pode ser atingido com força pelo furacão irregular.

“Independentemente do caminho exato, impactos ameaçadores à vida estão possivelmente sobre muitas áreas conforme este forte furacão faz sua aproximação”, informou o serviço meteorológico.

O centro também alertou sobre “ressacas muito grandes e danosas” ao longo das costas oeste e sul.

Um alerta de furacão estava ativo para Oahu, condado de Maui e para o condado do Havaí. As ilhas de Kauai e Niihau permaneciam em monitoramento de furacão e podem enfrentar condições similares a partir da manhã de sexta-feira.

O governador David Ige pediu para moradores levarem as ameaças a sério e se preparem para o pior ao reservarem suprimentos de água, comida e remédios para 14 dias.

Todas as escolas públicas, os campi da Universidade do Havaí e escritórios governamentais não essenciais nas ilhas de Oahu e Kauai foram fechados nesta quinta-feira por ao menos dois dias.

As prateleiras de um hipermercado no centro de Honolulu ficaram vazias após moradores comprarem itens que variam de latas de atum a ração para cachorros, águas engarrafadas e coolers cheios de gelo após alertas de possíveis quedas de energia.

“Fui ao Safeway na noite passada para compras regulares. Todos estavam em pânico”, disse Thao Nguyen, funcionário de 35 anos de uma loja de roupas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.