Venezuela receberá ajuda humanitária das Nações Unidas

Fundo da ONU liberou US$ 9,2 milhões para programas com foco na nutrição de crianças e de mulheres

A venezuelana Francis Montano, 22, e sua família em campo de refugiados em Bogotá, na Colômbia
A venezuelana Francis Montano, 22, e sua família em campo de refugiados em Bogotá, na Colômbia - Luisa Gonzalez/Reuters
Lucas Neves
Genebra e Paris | Reuters

Em gesto inédito, a Organização das Nações Unidas (ONU) liberou nos últimos dias US$ 6,5 milhões (R$ 25 milhões) para ajuda humanitária em diversas frentes na Venezuela, que vive uma crise econômica e social sem precedentes.

Outros US$ 2,6 milhões (R$ 10 milhões) já foram aprovados e devem ser disponibilizados em breve. O total chega a US$ 9,2 milhões (R$ 35,5 milhões).

O envio de recursos para o país latino-americano marca uma inflexão na política do ditador Nicolás Maduro, que vinha até aqui negando auxílio internacional sob o argumento de que não havia anormalidade na situação venezuelana.

Hiperinflação, emigração em massa (ao menos 3 milhões de pessoas, segundo a ONU), desabastecimento de víveres e de medicamentos e utensílios médicos e explosão da violência compõem o quadro de desintegração social na Venezuela de hoje.

Em setembro, durante discurso na Assembleia-Geral da ONU, Maduro disse que a crise humanitária no país era uma invenção para justificar uma intervenção nos moldes da realizada pelos EUA em 2003 no Iraque.

Procurado pela agência Reuters, o Ministério de Informação da Venezuela não comentou a liberação de verba pelas Nações Unidas.

A principal quantia destinada a ações no país caribenho vem da Organização Mundial da Saúde (OMS). A agência liberou, na última terça (20), US$ 3,6 milhões (R$ 13,9 milhões) para atendimento médico urgente voltado a “necessidades da população mais vulnerável”, segundo informações do Fundo Central de Resposta Emergencial (Cerf, na sigla em inglês).

Além disso, US$ 1,7 milhão (R$ 6,5 milhões) foram atribuídos na sexta (23) pelo Fundo de População das Nações Unidas a programas ligados à saúde reprodutiva e à proteção de mulheres e adolescentes vítimas de violência que residem em três estados venezuelanos e na região de fronteira –o país é vizinho de Colômbia, que já recebeu 900 mil refugiados, Brasil e Guiana.

Outra alocação, esta de US$ 762 mil (R$ 2,9 milhões), vem do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) e cobre alimentação, oferecimento de água tratada e saneamento básico a comunidades de refugiados dentro do país.     

Há ainda US$ 400 mil (R$ 1,5 milhão) da Organização Internacional para as Migrações. A dotação, realizada também na última terça (20), mira a assistência a cidadãos deslocados pela crise em comunidades fronteiriças dos estados de Apure, Tachira e Zulia, todos no limite com a Colômbia.

Por fim, US$ 2,6 milhões foram reservados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) para o combate à desnutrição de crianças de menos de cinco anos de idade, gestantes e lactantes em oito estados venezuelanos, no biênio 2018-2020. Esse montante está aprovado desde a última quarta (21), mas ainda não foi desembolsado.

Quase 70% das crianças venezuelanas de até cinco anos estão desnutridas, sendo 15% delas em um quadro agudo, segundo dados de quatro Estados do país obtidos pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos e divulgados em fevereiro.

Em relatório de mais de 200 páginas, o grupo destacou que a situação da Venezuela é alarmante. Quase 80% dos cidadãos afirmaram ter perdido peso involuntariamente em 2016, em média 8,7 kg, de acordo com uma pesquisa conduzida por universidades do país.

Cerca de 5.000 pessoas deixam a Venezuela todo dia, estima o Acnur. 

Além dos acolhidos pela Colômbia, o Peru abrigou mais de 500 mil. Equador, Chile e Argentina também estão entre os destinos, assim como os Estados Unidos.

O Brasil abriga 85 mil refugiados venezuelanos, segundo dados do Acnur. Somente o estado de Roraima totalizou 75.500 solicitações de regularização desde 2015.

sobrecarga de cidades como Boa Vista e Pacaraima, na fronteira entre os dois países, tem levado a confrontos entre a população local e os imigrantes

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.