Descrição de chapéu Deutsche Welle Governo Bolsonaro

'Ataque a embaixada foi ato contra Bolsonaro'

Grupo divulga texto assumindo autoria de ação contra representação brasileira em Berlim

Márcio Damasceno
DW

Um texto em alemão reivindicando a autoria do ataque de sexta-feira (1º) à embaixada brasileira em Berlim afirma que a ação foi um ato de solidariedade "à resistência feminista, transgênero e antifascista no Brasil", ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e para marcar a data em que "o fascista Jair Bolsonaro" completou um mês no poder.

Parte da fachada da embaixada do Brasil em Berlim amanheceu na sexta-feira coberta de tinta rosa e com janelas e portas de vidro quebradas. Tinta preta também foi lançada contra uma das laterais do prédio. Os danos materiais podem chegar a 100 mil euros (R$ 419,6 mil), afirmou o jornal local Berliner Zeitung.

Fachada da embaixada brasileira em Berlim amanheceu coberta de tinta
Fachada da embaixada brasileira em Berlim amanheceu coberta de tinta - Marcio Damasceno/DW

O artigo, anônimo, foi publicado no portal alemão de.indymedia.org, plataforma filiada à rede internacional Indymedia. O site é conhecido na Alemanha por veicular notícias, convocações para manifestações e artigos de grupos de esquerda e de extrema esquerda.

A plataforma divulga também, de forma anônima, manifestos de radicais de esquerda reivindicando atos de depredação, muitas vezes realizados por membros dos chamados black blocs.

O texto –cuja autenticidade não pode ser comprovada– chama Bolsonaro de "racista, homofóbico e misógino", acusa seu ministério de ser um "gabinete dos horrores", formado "pelo que o Brasil tem de mais reacionário: fascistas fanáticos religiosos evangélicos, ultraneoliberais, torturadores e latifundiários".

Sem mencionar o nome do suposto grupo, o comunicado rechaça a violência durante a campanha presidencial contra negros, ativistas LGBT e mulheres, acusando os adeptos de Bolsonaro de responsabilidade pelas agressões. Aborda também o assassinato da vereadora Marielle Franco e a saída do Brasil do deputado federal Jean Wyllys.

Seguranças chamaram a polícia

A polícia afirmou que, por volta de 1h de sexta-feira, foi alertada por guardas de segurança, que relataram que pelo menos quatro indivíduos encapuzados participaram da depredação à embaixada brasileira. Eles golpearam os vidros com objetos de ferro e pintaram a fachada com tinta rosa. Conforme a polícia, 16 vidraças foram quebradas.

Esta foi a segunda vez em menos de um mês em que a representação brasileira é alvo de ataques do tipo. Em 5 de janeiro, as vidraças do andar térreo do prédio amanheceram pichadas com os dizeres "Lutaremos contra o fascismo no Brasil" em letras brancas. A fachada, o piso externo e colunas externas do edifício também foram pintadas com tinta vermelha.

Na madrugada de 12 de maio de 2014, o prédio foi alvo de outro ataque semelhante ao desta semana. Um grupo de quatro pessoas encapuzadas atirou pedras e quebrou as janelas do edifício. Um manifesto divulgado posteriormente na internet afirmou que o ato foi um protesto contra os gastos excessivos para a Copa do Mundo daquele ano, realizada no Brasil.

Os frequentes ataques estariam levando o governo brasileiro a cogitar um reforço na segurança da embaixada em Berlim. "A polícia alemã está investigando o caso, e opções para o reforço de segurança no local estão sendo definidos", afirmou o porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, citado pela Agência Brasil.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.