Descrição de chapéu Livros

Catedral de Notre-Dame povoa imaginário da literatura francesa

Paris vista a partir das torres da igreja era uma de suas principais belezas, para Victor Hugo

Maurício Meireles
São Paulo

Em suas longas descrições sobre a catedral de Notre-Dame, Victor Hugo destaca o que considerava uma de suas principais belezas, já esquecida no momento em que ele escrevia: a vista de Paris que se descortinava daquelas torres.

Mas reclamava, claro, de problemas na conservação da igreja. "Na face dessa velha rainha das nossas catedrais, ao lado de uma ruga encontra-se sempre uma cicatriz", escreveu em "Notre-Dame de Paris", publicado em 1831, destacando que a ação do tempo era menos grave do que a dos homens.

Hugo vai descrevendo cada cantinho da construção e aponta intervenções que considerava barbaridades. Protagonizada pelo Corcunda de Notre-Dame, que vive no campanário da catedral, entre as gárgulas, a obra é impregnada pela paixão de Hugo pela construção gótica.

A situação estava tão feia que as autoridades pensavam em demoli-la —mas o sucesso estrondoso do romance do autor acabou contribuindo para evitar o acontecimento.

Contudo, outras histórias com a catedral surgiram na literatura francesa. Um dos textos mais comoventes, mesmo para quem não é religioso, é aquele sobre a súbita conversão do poeta Paul Claudel ao ouvir o coro dentro da igreja.

O escritor francês Victor Hugo (1802-1885) - Divulgação

Era o Natal de 1886 e, até ali, Claudel fora ateu. Diante da religião, dizia manter "a ignorância de um selvagem".

O único vislumbre da "verdade", como dizia, fora a leitura das "Iluminações" e de "Uma Temporada no Inferno", de Rimbaud —livros que abriram uma "fissura em sua prisão materialista" e lhe deram um indício do sobrenatural.

Mas continuava em um estado de asfixia e desespero permanente. E foi nesse estado que, naquele 25 de dezembro, resolveu visitar Notre-Dame. Acotovelado e empurrado pela multidão que entrava na igreja, assistiu ao espetáculo com um "prazer medíocre", conforme descreveria mais tarde em depoimento.

Estava em pé perto do segundo pilar, próximo à entrada do coro e à direita da sacristia. "E foi assim que se produziu o acontecimento que domina toda a minha vida", escreveu Claudel. "Em um instante, meu coração foi tocado e eu acreditei. Acreditei com tanta força, com tal insurreição de todo o meu ser, com uma certeza que não deixava espaço para qualquer tipo de dúvida."

Balzac também deixou descrições da basílica em sua obra. Em "Os Proscritos", o protagonista vive próximo da catedral --em dado momento, o autor descreve a "sombra fria" que a igreja projeta sobre a terra.

Outro clássico de enorme sucesso, "Os Mistérios de Paris", de Eugène Sue, traz várias passagens no pátio da Notre-Dame —nesse folhetim do século 19, acompanhamos uma espécie de justiceiro chamado Rodolphe, que combate o crime e protege os inocentes. E haja gente para defender. À época, os arredores da catedral eram uma zona perigosa, com assaltos e prostituição.

E não eram só os humanos que se animavam com aquela fachada. Pelo menos é o que diz a música "As Noites de Notre-Dame", de Suzy Solodor. Enquanto a noite caía sobre Paris, dizia a letra, os pássaros vinham de longe fazer seus ninhos perto dos vitrais.

“Quando desce o crepúsculo/ vemos uns pássaros todos brancos/ vir dos grandes oceanos/ fazer uma visita à velha Paris./ No oco das velhas pedras/ as aves sonham com o amor”, diz a canção. ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.