Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Poderia levar ovada na cara', diz Bolsonaro sobre cancelamento de viagem a NY

Presidente descarta ter "passado recibo" ao cancelar viagem em que receberia homenagem

Ricardo Della Coletta
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (12) que não "passou recibo" ao desistir da viagem a Nova York nesta semana, onde seria homenageado num jantar de gala. 

Após pressões de ativistas e do prefeito da cidade norte-americana, Bill de Blasio, Bolsonaro cancelou a agenda em Nova York. Agora, a homenagem será entregue em Dallas, no estado do Texas, nos dias 15 e 16 de maio, onde o mandatário deve ser recebido pelo ex-presidente George W. Bush e se encontrar com o senador republicano Ted Cruz.

"Eu não posso ir para um evento desses [em Nova York], que teria gente infiltrada para fazer balbúrdia. Eu poderia levar uma ovada na cara, e essa seria a imagem que ia levar para o mundo todo", justificou Bolsonaro neste domingo, durante entrevista no programa do jornalista Milton Neves, da rádio Bandeirantes. 

​Bolsonaro disse que De Blasio assumiu sua postura por ter pretensões de disputar as primárias pelo partido Democrata, que definirão o adversário do presidente Donald Trump nas eleições presidenciais do ano que vem. 

"Ele [De Blasio] é um fanfarrão e paspalhão. Se tivesse o PSOL lá, seria o partido dele", disse Bolsonaro.

"Eu não posso ir a sua casa e o seu filho falar que vai jogar uma bandeja de macarrão em cima de mim", completou o presidente na entrevista, dirigindo-se a Milton Neves.

"Eu tenho que pensar na minha imagem como presidente. Eu não posso aparecer na capa de jornal com o ovo jogado por um palhaço de um ativista desse prefeito, não menos palhaço e não menos bobalhão", concluiu. 

A viagem de Bolsonaro aos EUA para receber o prêmio de Pessoa do Ano da Câmara de Comércio Brasil-EUA está marcada por polêmicas. 

No mês passado, o Museu de História Natural de Nova York se recusou a receber o evento. 

Manifestações pressionaram os patrocinadores a não vincular seu dinheiro —nem suas marcas— ao jantar que, além do presidente, homenagearia o secretário de Estado americano, Mike Pompeo. 

Após o Museu Americano de História Natural se recusar a sediar o evento, o hotel New York Marriott Maquis aceitou receber o jantar e passou a ser alvo de manifestações.

Diante disso, Bolsonaro optou por cancelar sua ida a Nova York. Posteriormente, aceitou receber a homenagem no Texas. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.