Ataque a tiros mata 3 em festa do alho na Califórnia, incluindo menino de 6 anos

Outras 15 pessoas ficaram feridas; atirador foi morto pela polícia

Sacramento (EUA) | Reuters

Um festival gastronômico que acontecia na cidade de Gilroy, na Califórnia, foi alvo de um ataque a tiros neste domingo (28). Ao menos três pessoas morreram no ataque, e outras 15 ficaram feridas. 

Um dos mortos foi o menino Stephen Romero, 6, segundo as autoridades locais. Uma das avós do garoto também foi atingida, e está no hospital, de acordo com a CNN.

Pessoas correm de tiros no Gilroy Garlic Festival
Pessoas correm de tiros no Gilroy Garlic Festival - Reprodução/Reuters

Os primeiros tiros foram ouvidos às 17h45 (21h45 em Brasília), durante o Gilroy Garlic Festival (Festa do Alho de Gilroy), que reunia diversas tendas de comida em um parque. 

Guardas chegaram ao local em instantes e mataram o atirador. Outra pessoa, que estava com ele, fugiu e está sendo procurada.

"Não temos ideia do motivo do ataque", disse Scot Smithee, chefe da polícia local. 

Embora houvesse controle de acesso e proibição de armas no evento, o atirador cortou uma cerca e conseguiu entrar. 

Um vídeo postado nas redes sociais mostra pessoas no evento correndo para se proteger enquanto os tiros eram disparados.

Evenny Reyes, 13, disse ao San Jose Mercury News que, no começo, achava que o som dos tiros eram fogos de artifício. Mas então viu alguém com uma perna ferida.

Outra testemunha, Maximo Rocha, voluntário do time de futebol juvenil Gilroy Browns, disse que viu muitas pessoas no chão, mas não sabia ao certo quantas poderiam ter sido baleadas e quantas tentavam se proteger.

Fundado em 1979, o festival oferece competições de comida, bebida, entretenimento ao vivo e culinária. O evento é organizado por voluntários e se descreve como o maior festival de comida de verão do mundo.

Ele estava sendo realizado no exterior do Christmas Hill Park, onde armas de qualquer tipo são proibidas, de acordo com o site do evento.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.