Multidão toma as ruas na Argélia contra o governo e pede 'nova independência'

Após forçar queda de presidente, manifestantes questionam novas eleições

Túnis (Tunísia) | AFP

Uma enorme multidão foi às ruas do centro de Argel nesta sexta-feira (1º), exigindo uma nova "independência" da Argélia, 65 anos após o início da luta armada contra os colonizadores franceses, na data que celebra o surgimento do país. 

A falta de contagem oficial e a topografia impossibilitam precisar o número de manifestantes, mas nesta 37ª sexta-feira consecutiva de manifestação, a mobilização é semelhante à observada no auge do Hikak, nome do movimento de protesto sem precedentes que a Argélia está vivenciando desde 22 de fevereiro.

Argelinos durante protesto na capital, Argel - Ryad Kramdi/AFP

Nos últimos dias, as redes sociais foram dominadas por frases como "Vamos invadir a capital", ou "Hirak 1º de novembro", para convocar os argelinos a seguirem até a cidade de Argel.

Em 1º de novembro de 1954, a recém-criada Frente de Libertação Nacional (FLN) iniciou a Revolução Argelina e a luta armada pela independência, com uma série de atentados simultâneos.

Este dia, a Festa da Revolução, é feriado na Argélia.

Na quinta-feira (31) à noite, os manifestantes começaram a se reunir no centro de Argel, mas foram dispersados pela polícia, que fez várias detenções, de acordo com a imprensa local.

Durante a madrugada, os acessos à capital registravam engarrafamentos consideráveis, atribuídos ao fluxo de manifestantes de diferentes províncias, mas também às muitas barreiras erguidas pela polícia.

Desde o início de abril, quando conseguiu a renúncia do presidente Abdelaziz Buteflika, o Hirak exige o desmantelamento do "sistema" que está no poder desde 1962. 

O movimento rejeita as eleições presidenciais planejadas para 12 de dezembro para escolher um sucessor de Buteflika, alegando que o processo é uma tentativa de regenerar o "sistema".

Os manifestantes exigem a saída do governo de dirigentes próximos a Buteflika, gritando palavras de ordem como "Ou nós ou vocês, não vamos parar", "Estado Civil, não militar" e "A desobediência civil está a caminho".

Também querem a renúncia de Karim Yines, o coordenador da Instância Nacional de Diálogo e Mediação, formada pelo presidente interino para realizar consultas sobre as modalidades das futuras eleições presidenciais.

As autoridades tentam minimizar o alcance do protesto. Na quarta-feira (30), o general Ahmed Gaïd Salah, comandante do Estado-Maior do Exército e que está no comando do país desde a renúncia de Buteflika, disse que a eleição presidencial tem a adesão total dos cidadãos. Uma declaração contestada pelos protestos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.