Descrição de chapéu The New York Times

Ameaça de Trump, ataque a sítios culturais iranianos violaria leis internacionais

Americano foi criticado após dizer que vai destruir 52 monumentos históricos do Irã

Washington | New York Times News Service

​Mais de 2.300 anos atrás, a capital persa, Persépolis, foi incendiada por um comandante guerreiro de outro país, o que foi um golpe fatal contra esse império e seu fértil legado. Situadas no sudoeste do Irã moderno, as ruínas de Persépolis podem agora fazer parte da lista traçada pelo presidente Donald Trump de mais de 50 sítios que ele ameaçou atacar na escalada das tensões entre Washington e Teerã.

​Trump não identificou quais pontos os Estados Unidos podem atacar, conforme ele ameaçou no Twitter —52 ao todo, um para cada americano feito refém durante a tomada da embaixada americana em Teerã na Revolução Iraniana de 1979.

Mas ele disse no sábado (4) que alguns desses sítios são “de muito alto nível e muito importantes para o Irã e a cultura iraniana”.

“Esses alvos e o próprio Irã SERÃO ATINGIDOS MUITO RAPIDAMENTE E FORTEMENTE”, acrescentou Trump. “Os EUA não querem mais ameaças!”

No domingo (5), Trump reafirmou o direito de “contra-atacar rápida e completamente, e talvez de maneira desproporcional”, caso o Irã atinja qualquer pessoa ou alvo americano. Mais tarde nesse dia, a bordo do avião presidencial, disse a jornalistas que o acompanharam no regresso a Washington que “eles têm permissão para matar nossa gente”.

“Eles têm permissão para torturar e mutilar nossa gente”, acrescentou Trump. “Têm permissão para usar bombas nas estradas e detonar nosso pessoal. E nós não podemos tocar os sítios culturais deles? Não é assim que funciona.”

Antes mesmo dessas declarações, os iranianos já haviam reagido com fúria. O ministro do Exterior iraniano, Mohammad Javad Zarif, retrucou mais cedo no domingo: “Um lembrete a quem tem alucinações sobre emular crimes de guerra do Estado Islâmico, atacando nosso patrimônio cultural: ao longo de MILÊNIOS da história, bárbaros vieram e devastaram nossas cidades, arrasaram nossos monumentos e incendiaram nossas bibliotecas. Onde eles estão agora? Nós ainda estamos aqui, firmes e fortes.”

Foi o episódio mais recente na guerra de palavras que vem ameaçando virar ação militar desde um ataque dos EUA na sexta-feira (3) que matou o general Qassem Suleimani, o comandante em chefe iraniano de segurança e inteligência, quando ele visitava o Iraque. A administração Trump disse que o ataque foi necessário para barrar planos de Suleimani de atacar americanos no Iraque e outros pontos do Oriente Médio, mas as autoridades americanas ainda não apresentaram informações específicas para fundamentar essa acusação.

Manifestantes pró-iranianos promoveram protestos diante da embaixada dos EUA em Bagdá na semana passada, encurralando os diplomatas dentro do recinto por dois dias e ateando fogo a algumas construções no perímetro externo do complexo.

Em várias entrevistas concedidas no domingo, o secretário de Estado, Mike Pompeo, evitou responder diretamente se os Estados Unidos atacariam sítios culturais do Irã. No programa “This Week” da rede ABC ele disse que os EUA vão se comportar de maneira legítima, “dentro do sistema”.

O secretário de Defesa americano, Mark Esper, disse na segunda (6) à noite que os EUA não vão atacar sítios culturais, em uma entrevista para a imprensa no Pentágono.

Ele reconheceu que "as leis de conflitos armados" proibem países em guerra de atacar antiguidades culturais e acrescentou que os militares americanos não têm planos para tal. Sua opinião o coloca em contraposição a Trump, que insistiu que o ataque a patrimônios históricos seria legítimo. 

Mas alvejar sítios culturais infringe as leis internacionais, e críticos atacaram Trump por suas declarações.

“Acho que estamos vendo o presidente usar linguagem bombástica e tentando soar durão de uma maneira que não faz mais do que destacar sua ignorância”, comentou Scott R. Anderson, ex-advogado do Departamento de Estado durante a administração Obama e hoje especialista nas leis de segurança nacional, que trabalha para a Universidade Columbia e o Brookings Institution.

Anderson, que foi assessor jurídico da embaixada americana em Bagdá em 2012 e 2013, disse que o Pentágono reconhece há anos que ataques só devem incluir alvos que ele descreveu como necessidades militares.

“Não se pode simplesmente começar a atirar em qualquer coisa que se queira fazer de refém, como um sítio cultural”, disse Anderson, entrevistado no domingo. Ele está prestando assessoria à campanha presidencial do democrata Pete Buttigieg, mas não falou em nome dela.

Os Estados Unidos são signatários de um acordo internacional de 1954 para proteger bens culturais durante conflitos armados. Violar esse acordo, lançando ataques contra sítios históricos iranianos, representaria uma reviravolta enorme. O país esteve entre os maiores críticos da destruição de antiguidades em Mossul (Iraque) e Palmira (Síria) cometida pelo Estado Islâmico, além da destruição pelo Taleban dos Budas de Bamiyan, no Afeganistão, em 2001.

“Os EUA assumiram papel de liderança na proteção de antiguidades contra a destruição e o comércio ilícito, especialmente de antiguidades do Oriente Médio”, disse Deborah Lehr, presidente e fundadora da organização Antiquities Coalition, de Washington. “Seria lamentável ver a boa vontade global desaparecer se o país destruísse patrimônios culturais intencionalmente.”

O Tribunal Penal Internacional condenou um extremista da Al Qaeda por crimes de guerra em 2016 por ter destruído artefatos históricos e religiosos no Mali. Mas os EUA não fazem parte do TPI, sediado em Haia, na Holanda.

Em 2018 a administração Trump tirou os Estados Unidos da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), conhecida por turistas por sua lista de sítios que fazem parte do patrimônio histórico e cultural mundial.

Anderson disse que, além da condenação oficial à qual os EUA seriam sujeitos por países de todo o mundo, outros signatários da convenção de 1954 poderiam recusar-se a ser recrutados pelos EUA para participar de ações militares no Irã.

Isso pode incluir a recusa em compartilhar inteligência ou permitir que forças americanas se preparem para atacar interesses iranianos a partir de bases situadas em países aliados. “Haveria custos práticos reais”, disse Anderson.

Uma campanha surgiu no Twitter no domingo sob a hashtag #IranianCulturalSites (Sítios Culturais Iranianos), com estudiosos da história criticando verbalmente as ameaças feitas por Trump. Entre os sítios históricos citados como sendo tesouros insubstituíveis –não apenas para o Irã, mas para a preservação de antiguidades em todo o mundo— está Persépolis, partes da qual ainda estão em pé.

As ruínas de Persépolis foram um dos três primeiros sítios históricos iranianos a serem incluídos na lista da Unesco, em 1979. Erguida em 518 a.C., a cidade foi a capital do Império Aquemênida. Ela foi conquistada e saqueada por Alexandre, o Grande em 330 a.C., mas ainda está “entre os maiores sítios arqueológicos do mundo”, segundo a Unesco, por suas evidências de arquitetura, planejamento urbano e arte da antiguidade.

Persépolis é “um dos últimos complexos arqueológicos maciços remanescentes da Pérsia antiga”, escreveu no Twitter um usuário que se identificou como Sergio Beltran-Garcia e citou a arquitetura como um de seus interesses. “Os iranianos e suas instituições culturais têm feito um trabalho fantástico na proteção desse patrimônio histórico”, ele escreveu.

Mesmo algumas das pessoas mais próximas às que foram feitas reféns pelo Irã parecem ter repudiado a ameaça de Trump.

“Uma sugestão: que tal perguntar aos ex-reféns se cada um deles quer ser designado para representar um alvo militar que possa matar muitos civis, supostamente em sua homenagem?”, escreveu no Twitter a jornalista Sulome Anderson, filha de Terry Anderson, ex-chefe de sucursal da Associated Press sequestrado no Líbano em 1985 pelo Hezbollah, apoiado pelo Irã, e mantido como refém por seis anos.

Ela assinou seu post assim: “Sinceramente, filha de um americano ex-refém de um grupo apoiado pelo Irã”.

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.