Descrição de chapéu Coronavírus

Pandemia eclipsa risco de guerra e impasses em todo o mundo

Temas que eram centrais há duas semanas não deixaram de existir, mas são escamoteados pela emergência

Membros do governo sírio buscam vítimas após explosão de carro-bomba perto na cidade de Azaz Bakr Alkasem - 20.mar.2020/AFP

São Paulo

A pandemia do novo coronavírus redimensionou a escala de importância de um sem-número de conflitos e impasses geopolíticos em curso no mundo.

Há três semanas, o planeta estava em alta tensão pelo risco de uma guerra entre a Rússia e a Turquia, decorrente de diferenças sumariadas nos campos de batalha da Síria. Hoje, mal se ouve falar sobre o cessar-fogo em Idlib.

As talvez 400 mil pessoas mortas no país árabe desde 2011 subitamente deixaram de existir no noticiário —ocidental, claro.

A emergência humanitária que a ONU pintou como uma das maiores deste século está lá, mas seus decibéis não competem com aqueles de um vírus desconhecido.

Apesar das usuais críticas que serão feitas à mídia, isso é normal, dada a inédita interconexão do mundo do século 21. De forma paradoxal, causa pouca surpresa também que o senso de urgência só tenha ocorrido no Ocidente quando uma de suas nações mais emblemáticas, a Itália, se viu engolfada em trevas.

Apesar da globalização, e pela natureza fechada da ditadura chinesa, o que acontecia na província de Hubei, o epicentro do surto que virou epidemia e ganhou o mundo, ainda tinha ares de algo distante fora da órbita asiática.

Já uma procissão de veículos militares abarrotados de caixões na medieval Bergamo, tal e qual numa pintura do mestre flamengo Pieter Bruegel, o Velho (1525-69), fala diretamente a medos contemporâneos ocidentais forjados por uma memória que remete a pestes do passado.

Com isso, fica até fácil esquecer que há cerca de 35 conflitos militares ativos no globo, segundo estimativa do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, de Londres.

E eles nem sempre são os principais itens do cardápio de nós a desatar do planeta. A Folha selecionou, de forma arbitrária, algumas dessas questões ora escamoteadas pelo pânico do coronavírus e as apresenta nos quadros abaixo.

Há duas semanas, por exemplo, russos e sauditas iniciaram uma guerra para tentar estabilizar o preço do petróleo ante à queda de consumo devido à pandemia. O movimento de Moscou foi quase suicida, derrubando fortemente o preço do barril.

Mesmo com o coronavírus já ganhando corpo na Europa, o tema foi preponderante nas preocupações de consultorias, imprensa e mercado financeiro.

Na prática, foi relegado a segundo plano. Certamente as videoconferências para tratar do tema seguem firme, assim como em um tema que prometia dominar o noticiário europeu neste ano: a execução do Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia.

Desde que os britânicos votaram por deixar o clube continental, em 2016, essa foi uma das novelas mais intensas da política mundial —tendo custado a cabeça de dois premiês e instigado toda a sorte de debate sobre o futuro europeu.

Para sair da centralidade ocidental, o que dizer dos dilemas existenciais de Japão e Coreia do Sul ante uma Pyongyang armada com bombas nucleares e ganhando todo o tempo do mundo em seu embate com Washington?

Mais dois países podem entrar no clube das armas atômicas como resultante da desconfiança de que Washington não os protegerá mais, isso no ano em que o principal acordo de não-proliferação do mundo fez 50 anos de validade.

Há crises esperando desfecho, como na Ucrânia, na Líbia ou na disputa nascida em 1947 entre dois Estados nucleares, a Índia e o Paquistão.

Ainda no sul asiático, os fundamentalistas do Taleban acabam de firmar um acordo que na prática marca sua volta ao jogo político no Afeganistão destroçado por uma guerra que os tirou do poder em 2001, na esteira dos ataques do 11 de setembro.

Isso para não falar no confronto entre israelenses e palestinos, ora turbinado por um acordo pró-Israel patrocinado por Donald Trump.

O presidente americano, por uma questão óbvia de gravidade, está em quase todos os itens de impacto transversal no mundo. O principal, claro, é a disputa com a China.

Há guerra comercial, briga sobre quem dominará o mercado de tecnologia 5G, questões energéticas, disputa sobre as rotas marítimas do mar do Sul da China, Taiwan, Hong Kong —mesmo no território que viu alguns dos maiores protestos contra Pequim na história no ano passado, a preocupação é o patógeno.

Como um demônio vaidoso, o coronavírus conseguiu impor seu protagonismo midiático sobre todos esses outros temas sino-americanos.

Vítimas iniciais da doença e atores de um programa draconiano para limitar sua expansão, os chineses têm cantado vitória nos últimos dias.

Foi o suficiente para ensejar uma disputa entre eles e os americanos acerca da origem do vírus, cada um com sua dose de mentira e preconceito.

A briga espirrou até no largamente irrelevante Brasil, quando o filho presidencial Eduardo Bolsonaro resolveu comprar a narrativa de Trump e irritou de forma nunca antes vista a diplomacia de Pequim.

Agora, a ditadura liderada por Xi Jinping oferece ajuda mundo afora para combater o alastramento da Covid-19.

Se for bem-sucedida, a China terá logrado executar um Plano Marshall (a reconstrução da Europa Ocidental com ajuda americana após a Segunda Guerra Mundial) de “soft power’ sem precisar disparar um tiro antes.

Trump, pressionado pela eleição doméstica em novembro, sabe disso e deverá manter o tema na berlinda.

“A história da interação entre povos distintos é o que moldou o mundo moderno por meio de conquista, epidemias e genocídio”, vaticinou o professor de geografia americano Jared Diamond em “Armas, Germes e Aço” (1997).

A acomodação pós-trauma da pandemia, interação na qual vivemos, tenderá a dar lugar aos conflitos preexistentes e suas eventuais mutações.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.