Descrição de chapéu Diplomacia Brasileira

Bancada evangélica vai ao Itamaraty cobrar apoio à Universal após deportação de pastores de Angola

Chanceler afirma que Bolsonaro prometeu ligar para presidente de país africano para pedir que comitiva da igreja seja recebida

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Em reunião com o comando do Itamaraty, a Frente Parlamentar Evangélica cobrou, nesta segunda-feira (17), que o governo Jair Bolsonaro realize uma defesa enfática da Igreja Universal do Reino de Deus na crise da instituição em Angola.

A Igreja Universal vive desde o final de 2019 um racha no país africano, onde houve uma rebelião de pastores angolanos contra o comando brasileiro da denominação. Liderada pelo bispo Edir Macedo, a Universal é ligada ao partido Republicanos e controla a TV Record.

O deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP) participa de reunião da Frente Parlamentar Evangélica - Michel Jesus - 21.jul.20/Câmara dos Deputados

Os religiosos rebelados assumiram o controle de templos da Universal no país e acusaram a igreja de praticar sonegação fiscal, entre outras irregularidades. O último capítulo da crise ocorreu em meados de maio, quando 34 brasileiros ligados ao trabalho missionário da Universal receberam a notificação de autoridades em Luanda de que seriam deportados. Nove embarcaram para o Brasil ainda em 11 de maio.

O chanceler Carlos França convocou o embaixador de Angola em Brasília, Florêncio Mariano da Conceição e Almeida, para pedir explicações. Na linguagem diplomática, o gesto indica insatisfação. A ação do governo de Angola irritou parlamentares evangélicos, que passaram a mobilizar o governo Bolsonaro. O recado foi dado em reunião da bancada religiosa com França, no Palácio do Itamaraty.

"O problema da Universal é também nosso problema", afirma o presidente da frente parlamentar, deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP). Ele é membro do Ministério Madureira da Assembleia de Deus. "O presidente já fez menção ao assunto, mas acreditamos que o governo pode fazer um pouco mais."

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

O deputado Milton Vieira (Republicanos-SP), pastor da Igreja Universal, vai na mesma linha. “O governo precisa olhar de perto e dar uma solução diplomática. O mais importante para um país é o seu povo, não é balança comercial. Os brasileiros em Angola não poderiam ter sido expulsos daquela maneira, e o governo brasileiro precisa dar uma resposta”.

De acordo com os participantes, na reunião o chanceler disse que conversou sobre o tema com Bolsonaro. França informou que o presidente deve ligar para o líder de Angola, João Manuel Lourenço, e pedir que uma comitiva de parlamentares e líderes da Universal seja recebida no país.

A comitiva está sendo organizada pelo deputado Marcos Pereira (Republicanos-SP), que preside o partido.

O chanceler disse ainda na reunião que daria atenção especial ao tema, mas que o Brasil não tem como se envolver em disputas judiciais em Angola sobre o controle dos templos.​ O governo já indicou apoio à Universal na disputa. Em julho, Bolsonaro enviou uma carta ao presidente angolano externando “preocupação com os recentes episódios” de “invasões a templos e outras instalações da IURD (Igreja Universal do Reino de Deus)”. “Registram-se, ainda, relatos de agressões a membros da IURD, que, em certos casos, teriam sido expulsos das suas residências”, escreveu Bolsonaro.

Ainda no final de 2019, o ex-chanceler Ernesto Araújo realizou uma viagem por cinco países africanos e defendeu a Universal na passagem por Angola. Mas lideranças evangélicas avaliam internamente que os esforços foram tímidos e que o país não utilizou de pressão política e econômica para fazer valer os interesses da igreja em território angolano.

Nas discussões internas, eles lembram ainda que Bolsonaro conta com amplo apoio das igrejas evangélicas e que, portanto, deveria se empenhar mais num assunto que afeta uma das mais importantes igrejas neopentecostais no Brasil. O descontentamento da frente parlamentar com o governo Bolsonaro ocorre no mesmo momento em que o último Datafolha identificou que o mandatário e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão empatados na preferência desse eleitorado.

A pesquisa mostrou que, no primeiro turno da eleição, 35% dos evangélicos votariam em Lula. Bolsonaro marcou 34%. Num eventual segundo turno entre os dois, cada um recebe 45% das intenções de voto, ainda de acordo com a sondagem.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.