Precoce, líder escocesa sonhava derrotar a Dama de Ferro

Saiba quem é a política de 50 anos que defende a independência da Escócia e deve se manter como primeira-ministra

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Bruxelas

Filha de um eletricista e de uma enfermeira dentária que se casaram aos 21 e 17 anos, Nicola Ferguson Sturgeon também foi precoce na paixão. Pela política. Tinha 16 anos quando ingressou no Partido Nacional Escocês (SNP) e diz ter sido inspirada pela então primeira-ministra britânica Margaret Thatcher —líder do Reino Unido de 1979 a 1990, pelo Partido Conservador.

Seu sonho não era seguir os passos da Dama de Ferro, mas combatê-los. “Odiava tudo o que ela representava”, disse mais tarde Nicola, que completa 51 anos em julho e deve se reeleger nesta quinta (6) como primeira-ministra da Escócia.

“Muitos ao meu redor vislumbravam um futuro imediato de desemprego, e isso me deu um forte sentimento de que era errado para a Escócia estar à mercê de um governo conservador que não havíamos eleito”, contou à rádio BBC sobre sua entrada na política.

Mulher de casaco comprido cor de mostarda sorri para celular que moça de máscara segura no canto esquerdo da imagem; ao fundo, uma faixa de campanha eleitoral
A primeira-ministra da Escócia e líder do SNP, Nicola Sturgeon (dir.), posa para selfie ao lado de eleitora em Glasgow - Jeff J Mitchell - 6.mai.2021/Pool/AFP

Ao redor de Nicola estavam filhos de trabalhadores, que estudavam em escolas públicas e viviam em conjuntos habitacionais de uma vila à beira de uma mina de carvão fechada no começo dos anos 1960, segundo seu biógrafo, David Torrance. A região se transformou em subúrbio de Irvine, cidade que prosperou enquanto a garota crescia, baseada nas atividades portuárias.

Nicola estreou nas urnas antes de chegar aos 22 anos e, aos 29, venceu a primeira eleição, obtendo um assento no recém-criado Parlamento regional, em 1999.

Vivia cercada de homens de meia-idade que lhe apelidaram injustamente de “nippy sweetie” (alguém que chateia os outros por falar demais), censurando-a por “tentar imitar a abordagem agressiva masculina”, contou mais tarde. “É um duplo padrão. Se eu fosse homem, não receberia críticas.”

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

Sua ascensão no SNP foi rápida: em 2004 tornou-se vice-líder de Alex Salmond e assumiu de fato a condução da sigla quando ele foi eleito para o Parlamento britânico. Em 2007, virou vice-primeira-ministra e secretária de Saúde da Escócia. Em 2011, liderou a campanha supervitoriosa que levou o SNP a uma maioria inédita no Parlamento regional.

O jornalista escocês Peter Ross a descreve como “a menina esperta da cidade pequena, sensata e zelosa”, com a qual seus conterrâneos adotaram uma relação informal, quase familiar. “Raramente ela é chamada de Sturgeon. É Nicola ou até ‘pequena Nicola’.”

Seu sucesso não está em ser extrovertida. Interlocutores dizem que ela é séria e direta e transmite empatia e confiança aparentemente não ensaiadas. Tem também uma maneira autodepreciativa de falar, sorrir e franzir a testa “que esvazia qualquer acusação de arrogância ou vaidade”, escreveu um analista.

Uma de suas principais derrotas, a do plebiscito pela independência escocesa, em 2014, trouxe uma grande oportunidade, quando o então premiê Alex Salmond deixou o cargo e a liderança do partido. Nicola assumiu o SNP e, dias depois, foi escolhida pela maioria do Parlamento regional como primeira-ministra.

Seguiram-se duas vitórias acachapantes. Em 2015, o SNP levou 56 dos 59 assentos disponíveis para a Escócia na Câmara dos Comuns (equivalente à Câmara dos Deputados) no Parlamento do Reino Unido. No ano seguinte, a sigla ocupou o recorde de 59 das 73 cadeiras distritais no Parlamento regional, consolidando a liderança de Nicola.

O partido também marcou sua vida pessoal. Conheceu seu marido —Peter Murrell, 56, atual diretor-executivo do SNP— em um acampamento de jovens do partido, em 1988. Juntos desde 2003, casaram-se em 2010. O casal não tem filhos, e em 2016 Nicola contou ter sofrido um aborto espontâneo em 2011.

Ao jornal Sunday Times descreveu a experiência como “dolorosa” e disse que mulheres, principalmente políticas, são injustamente julgadas por não terem filhos. “Algumas de nós simplesmente não querem tê-los, algumas nos preocupamos com o impacto em nossa carreira —e ainda há muito a fazer para garantir que não tenhamos que escolher entre um e outro. E às vezes simplesmente não acontece, por mais que queiramos”, afirmou.

Em 2012, apontou sapatos e livros como suas grandes paixões. “Estou sempre comprando sapatos —mas não muito caros, porque eles estão sempre destruídos pelos paralelepípedos de Edimburgo [a capital escocesa]”, afirmou ao Daily Record.

Sobre livros, disse ao jornal The Guardian gostar de ficção histórica e, na infância, ter se encantado por Nigel Tranter —historiador que estudou castelos e escreveu romances sobre reis escoceses. Nicola tenta ampliar sua margem para ganhar capital político e forçar a realização de um segundo plebiscito sobre a independência da Escócia —as urnas fecham às 22h, e o resultado é previsto para sábado.

Mas já foi notícia neste ano por vencer uma eleição inusitada. Em uma enquete de um aplicativo de namoro com 3 milhões de usuários, a líder nacionalista foi apontada como a figura política que a maioria dos britânicos solteiros gostaria de beijar.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.