Descrição de chapéu oriente médio

Israel volta a atacar Gaza em resposta a balões incendiários

Membros do Hamas foram alvo da ação, que reacende temor de novo conflito

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O Exército de Israel voltou a atacar a Faixa de Gaza nesta quinta-feira (17) após o lançamento de balões incendiários, em mais uma escalada de tensões na região. Os militares dizem que os alvos dos bombardeios aéreos, realizados pela segunda vez nesta semana, eram ligados ao grupo islâmico Hamas.

No Twitter, as Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) informaram que as ações visaram complexos militares e um local de lançamento de foguetes que pertencem ao grupo palestino. “O IDF aumentou sua prontidão para diversos cenários e vai continuar a atacar alvos terroristas do Hamas em Gaza.” A organização islâmica é considerada terrorista por Israel, EUA e União Europeia.

Chamas são vistas na Faixa de Gaza após ataque aéreo de Israel
Chamas são vistas na Faixa de Gaza após ataque aéreo de Israel - Mohammed Salem/Reuters

Segundo o jornal Times of Israel, ao menos oito incêndios foram provocados no sul do país nesta quinta e quatro nesta quarta (16) por balões incendiários lançados de Gaza.

A mídia palestina, ainda de acordo com o veículo, disse que um ataque israelense tinha como alvo um prédio controlado pelo Hamas na cidade de Beit Lahiya. Houve ações relatadas contra um outro edifício no norte de Gaza e uma base perto de Khan Younis pertencentes ao grupo islâmico, além um local perto da cidade de Gaza e campos que abrigariam lançadores subterrâneos de foguetes, no sul da região.

Não houve relatos de feridos.

Cerca de 20 minutos depois de anunciar os ataques, as forças israelenses publicaram no Twitter que sirenes soaram no sul de Israel.

Os ataques reacendem o temor de novos confrontos entre judeus e palestinos menos de um mês após o cessar-fogo que encerrou o conflito de 11 dias.

A tensão entre Israel e Hamas, que controla a Faixa de Gaza, voltou a aumentar nesta semana, após a realização de uma marcha em Jerusalém Oriental, na terça (15), que reuniu milhares de israelenses.

Dançando, carregando bandeiras e entoando frases como "o povo de Israel vive" e, ainda que em menor frequência, "morte aos árabes", uma multidão encheu a praça em frente ao Portão de Damasco, uma das entradas da Cidade Antiga. O grupo, acompanhado por um grande contingente de policiais, era formado principalmente por judeus, nacionalistas e apoiadores da ultradireita.

Considerando a marcha uma provocação, palestinos convocaram protestos na Faixa de Gaza e em áreas da Cisjordânia ocupada por Israel. O chamado "dia de fúria" evoca as memórias ainda frescas dos confrontos entre palestinos e policiais israelenses às vésperas do conflito que eclodiu no mês passado.

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

Mesmo antes do evento, balões incendiários lançados da Faixa de Gaza causaram diversos incêndios em campos de comunidades de judeus perto da fronteira com o enclave palestino. A ação provocou, já na madrugada de quarta, um ataque aéreo do Exército israelense.

O Hamas havia alertado sobre o perigo de novas hostilidades durante a marcha. A declaração foi vista como um teste para o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, que tomou posse na segunda (14).

O sucessor de Binyamin Netanyahu lidera um partido de ultradireita cuja base religiosa poderia se enfurecer caso a marcha fosse submetida a uma alteração no trajeto ou a um novo adiamento.

Originalmente, a Marcha das Bandeiras estava agendada para 10 de maio, como parte das festividades do Dia de Jerusalém, quando Israel celebra a captura da região oriental da cidade em 1967, na Guerra dos Seis Dias. Pouco antes de começar, no entanto, a marcha foi desviada do Portão de Damasco, numa ação insuficiente para dissuadir o Hamas de lançar foguetes contra Jerusalém.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.