Descrição de chapéu

Nobel de resultados

Nas premiações de ciências naturais, consagraram-se áreas de pesquisa amplamente reconhecidas

Frances H. Arnold, vencedora de Nobel de Química de 2018 com George P. Smith e Gregory P. Winter
Frances H. Arnold, vencedora de Nobel de Química de 2018 com George P. Smith e Gregory P. Winter - HO/Caltech/ AFP

As escolhas para os prêmios Nobel de ciências naturais deste ano não suscitaram, até o momento, nenhum tipo de estranhamento ou crítica. Consagraram-se áreas de pesquisa amplamente reconhecidas; ademais, houve um equilíbrio maior de gênero nas láureas.

Ressalta das premiações que o principal ganhador da atual temporada de anúncios foram as imunoterapias. Estratégias que promovem o recrutamento do sistema de defesa do organismo para combater doenças foram destacadas nas áreas de medicina e química.

No primeiro caso, a escolha recaiu sobre o americano James P. Allison e o japonês Tasuku Honjo.

Ambos investigaram, de forma independente, proteínas do intricado sistema imune que atuam como freios, regulando o ataque promovido por células de defesa contra inimigos como microrganismos invasores ou células tumorais.

Suas descobertas engenhosas permitiram destravar tais freios, de modo a intensificar a reação do organismo. Assim se agregaram novas armas ao arsenal contra o câncer, ao lado de quimioterapia, radioterapia e transplantes de medula, entre outras.

Metade do prêmio de química se destinou a um setor correlato de estudos. Essa parcela coube ao americano George P. Smith e ao britânico Gregory P. Winter.

Smith criou uma técnica elegante ao utilizar vírus que infectam bactérias com o intuito de desenvolver proteínas. Winter empregou a metodologia de Smith para a produção de novos anticorpos e medicamentos. O primeiro deles surgiu em 2002 para tratar certas doenças autoimunes.

A outra metade do galardão de química ficou com a americana Frances H. Arnold. Quinta mulher premiada na área, ela se dedicou a direcionar a evolução de moléculas biológicas de largo uso nas indústrias química e farmacêutica, mas de tipo diverso, as enzimas.

Outra distinguida com um Nobel neste ano foi a canadense Donna Strickland. Terceira mulher premiada na categoria de física, trabalhou com pulsos ultrarrápidos de luz de alta intensidade para lasers e dividirá a honraria com o francês Gérard Mourou.

Também foi contemplado o americano Arthur Ashkin, que partiu de lasers para criar as chamadas pinças ópticas e aplicá-las na investigação de sistemas biológicos.

Uma característica comum a todos os Nobel científicos de 2018 são as aplicações práticas na medicina e na indústria, tendência que parece acentuar-se ao longo do tempo.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.