Descrição de chapéu

Brexit no labirinto

Acordo para a saída do Reino Unido da UE vai a votação de desfecho imprevisível

O premiê do Reino Unido, Boris Johnson, deixa entrevista em Bruxelas - Toby Melville/Reuters

Desde o plebiscito em que decidiram deixar a União Europeia, mais de três anos atrás, os britânicos tiveram três primeiros-ministros e viram sua economia perder vigor.

O eleitorado continua praticamente dividido ao meio, como em 2016. Tanto o futuro imediato quanto os próximos anos continuam incertos, mesmo se finalmente aprovado o acordo do brexit. 

Os parlamentares votam neste sábado (19) se aceitam o acordo firmado entre o premiê Boris Johnson e a UE. Em caso de vitória do governo, o Reino Unido romperia de modo algo ordenado com seus parceiros e aliados, em processo que ainda inclui anos de novas negociações comerciais e financeiras, entre outros debates complexos.

Nas múltiplas hipóteses de derrota, nem ao menos se sabe se os britânicos deixariam o bloco europeu sem entendimento, no prazo fixado de 31 de outubro próximo.

Pode ser que o Parlamento rejeite o acordo e ratifique a decisão de postergar outra vez a data de saída da UE, opção contestada por Johnson e que pode provocar outra crise. Existe a alternativa de aprovação do acordo submetida a um referendo popular. Mais difícil, por ora, parece a hipótese de simples aceitação dos termos negociados.

O novo acerto pouco difere do proposto pela ex-primeira-ministra Teresa May e várias vezes rejeitado pelos parlamentares, que na prática acabaria fazendo com que o Reino Unido permanecesse de certo modo, por um bom tempo, integrado ao bloco por meio da fronteira irlandesa.

O novo arranjo fecha um tanto dessa passagem, o que ainda assim não serve para apaziguar irlandeses do norte e conservadores radicalmente adeptos do brexit. Johnson depende de dissidentes conservadores e irlandeses para vencer por vantagem exígua.

A votação ainda imprevisível pode, portanto, levar a uma crise institucional, ou mesmo constitucional; pode suscitar nova votação popular; no limite, pode acabar tanto em desmoralização terminal quanto em uma vitória do premiê, importante e inesperada.

Poucos acreditavam, afinal, que a UE aceitasse renegociar mesmo alterações mínimas do acordo de saída fechado com May.

Em caso de rompimento caótico, o Reino Unido será para o bloco um país estrangeiro já em novembro. Tanto europeus quanto a maioria dos britânicos querem evitar o tumulto econômico.

Ainda que a sensatez prevaleça,  serão sentidos por anos os efeitos da promessa demagógica dos conservadores, em 2013, de promover um plebiscito sobre o rompimento. Os britânicos ainda terão de repensar sua identidade econômica, comercial e política em um cenário pós-brexit conflagrado.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.