MDB precisa ser destruído, diz Ciro

Pré-candidato afirmou ainda que os democratas têm obrigação de combater o extremismo representado por Bolsonaro

O pré-candidato Ciro Gomes (PDT), que criticou o MDB e Bolsonaro
O pré-candidato Ciro Gomes (PDT), que criticou o MDB e Bolsonaro - Evaristo Sá - 6.jun.18/AFP
Rodrigo Borges Delfim
São Paulo

O pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, fez uma dura crítica ao MDB e disse que a legenda precisa ser destruída no cenário político brasileiro, pelos meios democráticos. 

"O MDB está no poder, destruiu o projeto PT, destruiu o projeto do PSDB e precisa ser destruído desta feita. Sempre lembrando que 'destruir' aqui é pelo mecanismo democrático, que é simples: basta cortar a torneira da roubalheira que eles entram em extinção". 

Ciro falou à imprensa nesta quinta (14) após um encontro com empresários promovido pela Abdid (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), em São Paulo, que conta com cerca de cem empresas associadas no país.

O pré-candidato também defendeu o presidente do PDT, Carlos Lupi, que foi citado em denúncias do delator Carlos Miranda e disse que somente o pedetista tem autoridade para fazer as costuras políticas em seu nome.

"Boto minha mão no fogo. Conheço o Lupi de longuíssima data, nunca foi processado por nenhum malfeito. Ele era ligado ao Brizola, que despertava muitas paixões e ódios, e agora ligado a mim vai levar mais pancada ainda", disse.

Questionado sobre a cogitada —e cada vez mais improvável— aliança com o DEM para a eleição presidencial, Ciro disse ainda que nada pode ser definido pelo menos até o final de julho, mas se declarou otimista quanto às coligações para a disputa presidencial.

O pré-candidato também afirmou que o tucano Geraldo Alckmin deve ser seu adversário no segundo turno. E citou  o pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro, como fascista e despreparado.

"Minha questão não é contra ele, mas contra o fascismo. E acho que todos os democratas que possuem algum compromisso com o país, tanto da direita como da esquerda, temos a responsabilidade de arrancar com a raiz esse fenômeno protofascista que ele [Bolsonaro] interpreta com grande vulgaridade e despreparo", declarou.

Ao sair e ser questionado sobre se o ex-presidente Lula (PT) deveria ter direito a disputar o Planalto, Ciro desconversou. "Isso não é problema meu."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.